Pesquisar este blog

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Ovnis do passado

Nos anais de Tutmés III, cerca de 1504 a 1450, antes de Cristo, escribas viram no céu círculos de fogo que, em seguida, subiram mais alto e dirigiram-se para o sul.
Em 163 AC, em Concius, um homem foi queimado por um raio que veio de um espelho no céu.
Em 436 DC, em Bizâncio, após fortes tremores de terra, uma criança sobe ao céu e volta, a vista de muitas pessoas.

Cruzes no céu foram vistas em diversas épocas:

No ano de 776, os franceses, dentro do castelo de Sigibut, estavam sitiados pelos saxões. No entanto, foram salvos quando surgiram sobre a igreja da fortaleza dois escudos vermelhos no céu. E assim os saxões fugiram. (Annales Laurissense).
Crônicas do ano 1120, do monge Mateus de Paris, nos fala de uma cruz voadora sobre o santo sepulcro. (Hist. Anglorum)
No ano de 1200, também foi vista uma cruz no céu sobre Jerusalém. Em 312 DC, surgiu uma cruz no céu quando o imperador Constantino aceitou o

Cristianismo, no Império Romano
Em 1528, no cerco de Utrech, foi vista uma cruz de Borgonha, de cor amarela, no céu da Holanda. 
Em 1954, uma patrulha de discos voadores sobrevoa Roma, fazendo evoluções e ao final, forma uma cruz sobre a basílica de São Pedro, no dia do aniversário da revolução Comunista.
Temos milhares de contatos descritos na história universal e a maioria deles foi interpretada como sinal divino:
"608 AC - É a segunda vez que me foi dirigida a palavra do senhor a qual dizia: Que vês tu? E respondi: Vejo panela a ferver que vem da banda do Aquilão." (Jeremias-1.13)

"Levantei de novo os olhos e eis que havia rolo que voava, o qual tinha 200 côvados de comprimento e 10 côvados de largura." (Zacarias - Liv. 1 - 5.1.-2.) Seria um charuto?

"Parou, pois, o sol no meio do céu e não se apressou a por-se durante o espaço de um dia." (Livro de Josué) 

166 DC - Julius Obsequens, em Prodigiorum Libellus, cita que em Capua o sol brilhou à noite. E Tito Livius escreveu que Albae viram-se dois sóis à noite. Em De Divination, Cícero fala sobre dois sóis e três luas vistas no céu.

Do livro Aparições, de Erich Von Daniken:

28/12/1933 - A Sra. Van Nieke Van Den Diji, em Onkerzeele, Bélgica, viu um sol verde vermelho girando.
15/04/1950 - Em Casalicchio, a Aquivava, na Itália, milhares de espectadores dizem ter observado uma nuvem que se abriu e em cujo centro havia uma estrela de brilho opaco e, respectivamente, um sol girando e brilhando em todas as cores.
30/10/1950 - Segundo relato expresso do Cardeal Todeschini, por várias vezes o Papa Pio XII viu nos jardins do Vaticano o sol girando, semelhante ao milagre do sol de Fátima.
13/10/1917 - Em Fátima, Portugal, 70.000 pessoas presenciaram o milagre do sol. Estava chovendo, quando o sol apareceu através das nuvens. Parecia um disco achatado, com um contorno nitidamente definido. Tinha o brilho mutante e, de repente, começou a fazer manobras e a rodar com crescente velocidade. Começou a cair e logo aquilo, avermelhando-se, manobrou e desapareceu nas nuvens.

Se raciocinarmos, poderemos ver que todos esses avistamentos, tidos como sol, nada mais são do que OVNIS. Como o sol poderia deslocar-se, aproximando da Terra? Todo o sistema solar seria destruído. E ainda mais em Fátima, como esse astro poderia caber entre as nuvens e o solo do nosso planeta se ele tem 1.300.000 vezes o diâmetro da Terra.
Em 1463, Catarina de Bolonha, na Itália, viu o Senhor sentado num trono resplandecente. E em 214 AC, em Hádria, no Golfo de Veneza, houve um estranho espetáculo. Surgiu um homem vestido de branco sobre um altar no céu. (Julius Obsequens e Tito Livius em história romana - Liv. 21- Cap. 62) 
Esses avistamentos de altares no céu nada mais eram do que tripulantes vistos em OVNIs em vôo, tendo uma parte transparente que permitia ver o interior do mesmo.
Em 1950, um observador da zona rural, contou-nos que viu um objeto pousado emitindo intensa luminosidade. Ele tinha a forma de um "chapéu" e, no local onde seria a copa, tinha uma cúpula transparente e lá ele viu um ser assentado com as mãos no queixo e os cotovelos apoiados nas pernas. E disse-nos que aquilo era uma assombração.
E o que poderiam pensar, aqueles que citamos, há mais de 500 anos? 

"Em 14, um moribundo contou a seguinte história a São Tomás de Villanueva, Arcebispo de Valência:
Eu era judeu, tendo sido rigorosamente educado de acordo com as leis judaicas. Estávamos três a passear, quando subitamente, o céu se abriu como uma cortina. Ficamos assustadíssimos, pois nenhum de nós havia visto um espetáculo dessa natureza. Então, surgiu no ar um cálice de ouro com uma hóstia branca sobre ele. (Aparições - Erich Von Daniken).

Como são os contatos observados com olhos religiosos! Pois o que o moribundo viu foi um OVNI iluminado em determinadas partes, emitindo um facho de luz em cone, para baixo. Já ouvimos de moradores rurais, em nossas pesquisas, a expressão: "parecia um ostensório", que é um objeto usado na religião apostólica romana.
15/12/1631 - Perto de Nápoles, pairando sobre um campo de trigo, a "Rainha dos céus", apareceu a vários jesuítas, para anunciar a iminente erupção do Vesúvio. (Aparições - Erich von Daniken).
04/11/1799 - Em Cumana, Venezuela, houve um terremoto, sendo vistas várias bolas vermelhas no céu.
Em 26/09/1954, OVNIs foram vistos, durante um terremoto, pairando no espaço.
E também, em 11/02/1957, em Leicestershire, Inglaterra, OVNIs foram vistos no céu, durante terremoto.

Muitas vezes os OVNIs foram vistos antes de algum cataclisma do planeta. Talvez seus instrumentos sofisticados tenham detectado o que se sucederia e se mostram como um sinal dos céus, já que conhecem nossas crenças. Ou, então, pretendem avisar-nos que algo suceder naquele lugar, já que essas visões sempre foram consideradas mau presságio. E, especulando, podemos pensar que se aproveitam de sua tecnologia para manipularmos e continuar a fazendo-nos encarar suas Aparições como divinas ou demoníacas. 
12/09/1914 - Em La Marne, França, quando estava em curso a grande batalha do Rio Marne, muitos soldados alemães distinguiram, no firmamento, uma dama de branco que impediu seu avanço. (Aparições - Erich Von Daniken)
Em 1099 AC, os cruzados, sitiando Jerusalém, viram um cavaleiro agitando o escudo brilhante sobre o Monte das Oliveiras, ordenando atacarem novamente.
Em 204 AC, apareceram dois anjos resplandecentes no céu, de aparência pavorosa e paralisaram o exército egípcio de Ptolomeu IV, quando ele resolveu matar os judeus.

É interessante destacar que esses avistamentos de OVNIs sempre se fizeram presentes em guerras. Será que eles tem até o interesse de interferir em nossa história, mudando o curso de uma batalha?

Mas vejamos os OVNIs e as religiões.....


OVNIS E AS RELIGIÕES

Gostaríamos de frisar, antes de expormos nossas idéias, que acreditamos em Deus, um ser espiritual, onipresente e onisciente. Cremos na evolução do espírito através de sucessivas reencarnações nos incontáveis mundos do Cosmo. Mas, por Deus ser tão complexo, nossa mente ainda não pode compreendê-lo. E assim, a humanidade, nessa busca incessante para explicá-lo, buscou em fatos reais, acontecidos ao correr dos milênios, uma maneira de entendê-lo.
E dessa maneira tudo que vinha do céu era considerado divino. E, nossos antepassados, em contatos com seres de outros planetas, interpretaram isso como aparições de anjos, santos e até o próprio Deus. No entanto, não queremos, de maneira alguma, criticar qualquer religião que seja - pois todas elas encaminham o homem para o "bem" - e também influir na crença de um Deus Criador. nós somente estamos colocando-o no lugar que ele ocupa, o cosmo e não um pequenino planeta como a terra, pois, "Ele" semeou a vida em múltiplos mundos desse universo maravilhoso e nós não estamos sós.
Estudando as religiões antigas, podemos notar a presença de seres físicos, dotados de tecnologia avançadíssima, em contato com a humanidade. E surgiram os falados cruzamentos entre seres celestiais e mulheres da terra, fatos descritos em livros sagrados e na história universal.

Luciana Lemos Bocchetti

A Bíblia Sagrada nos diz: "Entrementes os homens haviam se multiplicado na terra e lhes tinham nascido filhas. Os filhos de Deus vendo a beleza das filhas dos homens tomaram por esposas aquelas que mais lhe agradaram." (Gênesis)

Mais adiante temos:

"E havia naquele tempo gigantes sobre a terra e os houve também depois que os filhos de Deus se uniram às filhas dos homens e destas nasceram filhos; são estes os heróis famosos desde o tempo antigo." (Gênesis)

Os livros sagrados de Dzyan contam-nos que os primeiros homens na Terra eram filhos dos homens celestes ou Pitris e que os "Reis da Luz" ocupavam "tronos Celestes".
O Nihongi, Japão, descreve-nos seres divinos que desceram do céu, em "barcos celestiais", e se uniram às filhas dos homens. E também nos falam de uma "ponte celestial ou flutuante" entre o céu e a terra.
Zeus, Mercúrio e outros deuses gregos desciam do Olimpo para amarem as lindas mulheres da Grécia.
O Bundhasvamin Brihat Katha Shlokasanigraha, um antigo romance do Nepal, narra contos de seres divinos descendo do céu e seduzindo as mulheres e guerreando em seus "carros voadores".
Na Índia, o Rig Veda os conta histórias sobre "seres celestiais" que desciam à Terra para amar ou fazer guerra. O mesmo encontramos no Ramaiana, também da Índia, pois nos fala de histórias de seres do espaço com mulheres de nosso planeta.
Em muitas civilizações antigas, as virgens eram sempre destinadas aos deuses. Na Babilônia, segundo alguns autores, os Zigurats, altas torres, eram reservados aos deuses, para seus encontros com as virgens a eles destinadas. Na Grécia antiga, era costume de muitas outras mães solteiras dizerem que seus filhos tinham origem divina. Os Súcubos e íncubos na idade média apavoravam muitas mulheres e homens com suas seduções. Podemos especular dizendo que esses contatos, entre homens de outros planetas e mulheres da terra, tinham uma finalidade de melhorar geneticamente as raças por eles escolhidas, pois, os cruzamentos entre parentes as degeneravam, atrasando a evolução. Por isso é que muitos povos tinham proteção dos deuses, ajudando-os até a lutar contra outros. No entanto, é difícil compreendermos tudo isso, porque o que citamos vai de encontro a dogmas religiosos de mais de dois mil anos.
Posteriormente, os seres extraterrestres que nos visitavam passaram a uma segunda fases de suas missões na Terra. Começaram a dar a humanidade noções de justiça, moral e ordem. Mas os homens daquela época não podiam conceber engenhos voadores, daí sempre vermos textos antigos a expressão: "O céu se abriu ". Imaginavam que atrás do céu, no espaço, estaria a morada de Deus, inacessível ao homem.
Porém, esse podia abrir-se e dar passagem a Ele ou a seus enviados para contatos com a humanidade. E os contatos sucediam-se e daí selecionavam um líder e a ele eram dadas instruções para transmiti-las a seu povo. E desses contatos entre nave tripulante nasceram os anjos, santos e até o próprio "Deus", que era visto como "nuvem", "bola de fogo", com fumaça, trovões e relâmpagos. E assim surgiram as religiões...
Hamurabi, na Babilônia, recebeu suas famosas leis de seu Deus Sámas, numa montanha. Minos, fundador de Cnossos, recebeu as leis cretenses, também de um Deus, num monte sagrado. Em 550 AC, Zoroastro, numa caverna que foi banhada em fogo (luz), teve seu contato com Ahura Mazda (Dono da Luz) e fundou o Zoroastrismo.
Em 610 DC, Maomé visionou o anjo de Alá que lhe mostrou uma tabuinha de ouro, em montanhas próximas à Meca, daí criando o Islamismo.
Por volta de 1.500 AC, no cume do Himalaia, Manu sobreviveu ao dilúvio e visionou Brama.
Em cerca de 1800, nos Estados Unidos, Joseph Smith visionou o anjo Moroni que surgiu em seu quarto, envolto numa luminosidade. E depois ele o viu subir num poço de luz (elevador?). Posteriormente, em outros contatos, fora lhe indicado um local aonde se encontraram as tabuinhas de ouro que lhe deram noções para criar a religião Mórmon.
Fato semelhante aconteceu com o Papa São Gregório, em 589 DC, cognominado o Grande, em Roma, quando ele escondeu-se numa caverna e foi descoberto por um clarão. E ali ele viu anjos subindo e descendo por um espectro. Na realidade, ele viu uma nave com seu sistema de propulsão ligado e seus tripulantes entrando e saindo.
Hoje conhecemos vários casos em que a nave, pousada ou próxima ao solo, projetava uma "coluna de luz", e os tripulantes foram vistos, entrando nesta coluna e eram "sugados" para dentro da nave, ou descendo através dela. Um tipo de elevador? (Nota de Aloysio Carvalho)
São especulações, mas não podemos admitir que seres espirituais precisariam de veículos que emitissem fogo para suas subidas e descidas do céu. Aviões e helicópteros não poderiam ser, já que nas mencionadas datas eles não existiam.

Vejamos o que a Bíblia Sagrada nos mostra:

"Um dia, tendo conduzido seu rebanho para o deserto, chegou ao Monte de Deus, Horeb, o Senhor ali apareceu em uma chama de fogo, do meio de uma sarça, Moisés via a sarça arder, sem se consumir." (Êxodo)

Nesse encontro com Deus, Moisés estava diante de uma luz, já que a expressão "sarça arder sem se consumir" exclui "fogo". Seria uma nave profusamente iluminada? Mas vejamos outros encontros que teve com Deus no Monte Sinai:

"Já chegava o terceiro dia e a manhã estava brilhando; Eis que começou a ouvir um estrondo de trovões, e relâmpagos apareceram; Uma nuvem densíssima cobria o monte, um soar de trombetas se fazia ouvir com estrépito e o povo que estava nos acampamentos experimentou um grande medo. Moisés conduziu-os para fora do acampamento ao encontro de Deus, e eles pararam ao pé do monte. Todo o Monte Sinai fumegava, porque o Senhor baixara sobre ele no meio de chamas; O fumo subia como se fora de uma fornalha e o monte inteiro incutia pavor." (Êxodo)

Experimente ler o texto novamente e trocar a palavra "Senhor" por "nave". É evidente que Moisés estava diante do pouso de uma grande nave, ouvindo o barulho de seus motores, vendo sua fantástica iluminação e o fogo que saia de seus jatos propulsores, que chegavam a incendiar o solo do monte, provocando fumaça. E raciocine, isso aconteceu há mais de dois mil anos. Ali, Moisés ficou por 40 dias e 40 noites, sendo instruído para guiar o povo hebreu. Recebeu os "Dez Mandamentos", gravados em pedras, e enquanto isso o povo não podia aproximar-se do monte, veja:

"Desce e avisa ao povo para que não ouse ultrapassar os limites para ver o senhor, para que não morra um grande numero deles."

É claro que aqueles seres tinham medo da multidão, que poderia até danificar a nave. E, ademais, não queriam ser percebidos como seres físicos, daí é que somente Moisés entrava em contato direto com eles. Vejamos outros textos bíblicos que nos mostram naves:

"O Senhor precedia-os para ensinar-lhes o caminho, de um dia, numa coluna de nuvens e à noite, numa coluna de fogo, a fim de lhes servir de guia dia e noite."

"O anjo do Senhor que precedia os bandos de Israel levantou-se para chefiar os grupos que iam atrás dele; Moveu-se com ele a coluna de nuvens, que estava à frente e seguiu atrás do povo, entre o campo egípcio e aquele de Israel, a nuvem era escura em um lado, mas do outro iluminava."

OVNIs guiando o povo hebreu, durante o dia com suas luzes apagadas e à noite acessas, nuvem e coluna de fogo. Daí, por esse motivo, é que a "nuvem era escura em um lado, mas do outro iluminava". Especulando, podemos dizer que seria um holofote dirigido para a frente.

Ezequiel teve um contato onde ele descreve o seguinte:

"Eis que um vento de tempestade vindo do norte e uma grande e espessa nuvem com fulgurações de um fogo todo resplandecente; E ela encerrava uma espécie metal brilhante, que estava completamente inflamado.
Tinham também a semelhança de quatro seres vivos e eis qual era o seu aspecto: Pareciam-se homens. Cada um possuía quatro faces e quatro asas. As suas pernas, bem verticais, tinham cascos de bovinos e cintilavam como bronze polido (...)

E tais eram seus rostos. As suas asas estavam desdobradas, duas unindo-se em cima e duas cobrindo-lhes o corpo. Cada um andava em frente; Aonde o espírito lhes ordenava que fossem, elas iam; Não se viravam ao caminhar. E quando a estas criaturas vivas, dir-se-ia serem carvões em brasa ardendo como tochas e isso circulava entre os viventes, em fogo deslumbrante, e do fogo saíam clarões. E as criaturas vivas corriam em todos os sentidos, qual a faca.
Eu olhava para os viventes e eis, no solo, uma roda junto deles, sobre as suas quatro faces. O aspecto das rodas e sua matéria eram como tarxixe e todas as quatro eram parecidas; O seu aspecto e a sua estrutura eram como uma roda enganchada numa (outra) roda. (...)
Quando as criaturas vivas andavam, as rodas giravam também, ao lado delas, e quando as criaturas vivas se elevaram da terra, as rodas elevaram-se também. Para onde o espírito as impelia, elas iam, o espírito empurrando-as e as rodas elevando-se com elas; E quando se elevavam da terra, as rodas elevavam-se igualmente, porque o espírito de cada vivente estava nas rodas. Por sobre a cabeça das criaturas vivas havia como que um firmamento semelhante a um cristal cintilante, estendido por cima de suas cabeças.
E sob o firmamento erguiam-se suas asas uma contra a outra e cada qual tinha duas que lhe cobriam o corpo. E ouvi as suas asas ressoarem quando andavam, qual o ruído das grandes águas, qual o trovão do Todo Poderoso, qual o túmulo de um exército; Quando paravam, deixavam pender as asas e ouvia-se um ruído, que partia do firmamento estendido por sobre suas cabeças.
Por sobre o firmamento, que estava por cima de suas cabeças via-se como que uma pedra de safira, assemelhando-se a um trono; E sobre essa semelhança de trono parecia surgir um semblante de homem. No interior e por fora, vi como que metal brilhante, com aspecto de fogo, resplandecendo tudo ao redor."
A narração de Ezequiel, de onde extraímos os textos principais, nos mostra que ele teve um contato com uma nave. Ele fala claramente nas suas luzes, seu sistema de propulsão, cúpula ou grandes janelas transparentes e a tripulação dentro da nave. É claro, isso numa linguagem como ele podia conceber naquela época, já que até um simples automóvel seria para Ezequiel uma aparição divina, ainda mais um OVNI. Ele também fala do ruído dos motores da nave, nas escotilhas da mesma e quando cita asas ele claramente nos mostra que o engenho podia voar. Não há duvida que Ezequiel teve seu contato com um engenho oriundo de outros planetas.
São João, no Apocalipse, nos descreve um anjo que tinha olhos como labaredas e outro com um rosto como o sol e os pés como colunas de fogo. Muitos outros termos que nos levam aos OVNIs são citados na Bíblia, tais como: "tronos de fogo" , "braseiros consumidores" e "rios que jorram em montes de fogo".
Os livros de Enoque e Esra, que não figuram na lista de obras canônicas, também nos trazem contatos com seres de outros planetas. No livro de Reis, encontramos o seguinte:

"Continuando seu caminho entretidos a conversar, eis que de repente surge um carro de fogo, e uns cavalos de fogo, que os separam um do outro. E Elias subiu ao céu num turbilhão."

O texto nos dá a entender que Elias subiu ao espaço à bordo de uma nave, "um carro de fogo". Com Ezequiel também aconteceu um fato semelhante, vejamos:

"(...) aparência de fogo, resplendor com brilho de âmbar. Aquilo o levantou entre a terra e o céu e nas visões de Deus o levou a Jerusalém."

Daniel também teve seu encontro com um OVNI e o descreveu: " (...) Daniel, próximo ao rio Tibre, viu o Senhor: Era como berilo, com aparência de relâmpagos, olhos como lâmpadas de fogo e seus braços e pés de cor semelhante a cobre polido e som de suas palavras como uma multidão."
Os Celtas tinham Balder, filho de Odin, e sua mansão denominada largamente Brilhante. Os germânicos, Thor e seu martelo encantado e as Valquírias, cavaleiras mágicas que desciam de Asgard (céu). Na Índia o Rig Veda nos fala deDyas-Pitar, Indra com seu carro aéreo, com corcéis de crina de ouro e pele brilhante, os Maruts em seus carros dourados e Vayu com sua carruagem brilhante puxada por cavalos rubros como o sol. Vishnu, Puxam e Surya, juntamente com os Asvins que voavam em carros fulvos brilhantes e flutuavam por sobre o oceano, eram outros deuses indianos.
No Ramaiana, temos as aventuras de Rama na busca de Sita, sua esposa, em seu carro aéreo e dotado de armas mortíferas. No Mahabarata temos relatos de guerras espaciais com armas que só a ficção científica atual nos pode descrever. Os egípcios acreditavam que o faraó era um ser divino e Manetho, Sacerdote de On, no Aegyptica, diz que os primeiros reis eram deuses. O Shan-hai-ching nos fala de uma raça humana dotada de asas, chamadas Miao que por volta de 2.400 AC perdeu a capacidade de voar, depois de se desvair com o Senhor do Alto, foi exilada. Seria uma lembrança da expulsão do primeiro homem do Paraíso?
Os índios Hopis, dos Estados Unidos, acreditavam que seus ancestrais vieram de outros planetas, Os Navajos e Sunis, também dos Estados Unidos, veneravam deuses louros e acreditavam em outros mundos no cosmo. O "Thunderbird" (Pássaro Trovejante) é uma lenda entre muitas tribos da América do Norte.
Os Noothaus falam da visita de um deus que veio numa "canoa de cobre", e os Pawnees, em um ser que brilhava com estranhas radiações. Quetzalcoaltl fez maravilhas no México e os Maias os chamavam de Kukulkan, os quichuas da Quatemala, de Gucumatz e no Peru foi conhecido como Viracocha, na Colômbia como Bochica e os Polinésios, de Wakee. Os índios Machiguengas do Peru falam no "povo de céu" que veio por uma "estrada brilhante".
O Livro dos Mortos, do antigo Egito, nos fala em "legiões no céu", "espíritos da luz" e "seres brilhantes". Pandoro escreveu, em 400 AC, sobre os Egregori (guardas-anjos) que desceram à Terra no ano cósmico 1.000. Osíris, Isis e Hórus eram representados como disco solar, como também eram comuns os barcos solares egípcios.
Na América do Sul existem centenas de lendas que nos falam de seres que desceram do céu e viveram entre os índios. No Brasil, temos o Bacororo e Baitagogo, dos índios Bororós. Os Kadweus, do Mato Grosso, falavam de Karana. Os Caiuás tinham o Baira, porém o Guaricana era um ser sagrado que vinham curar os enfermos. Jupari foi um dos deuses indígenas brasileiro mais cultuados. Mas, quando o homem branco chegou, para catequizá-los, transformaram-no em um "espírito do mal". Os índios diziam que Jupari era filho de Ceuci, nome que davam as Plêiades.
Sumé também foi outro deus civilizador das tribos brasileiras e diziam que sua morada sagrada era Itaoaoca. O Dr. João Américo Peret colheu entre os índios a lenda de Bebgororoti, Era um ser que vestia o Bo (traje) e levava à mão a Kob (arma). Viveu entre os índios e quando foi embora, na serra de Punkato-Ti, ouviu-se um grande estrondo e Bebgororoti desapareceu nos ares, envolto em fumaça, chama e trovão. E o mais interessante é que quando os índios relembram Bebgororoti, fazem uma roupa que se assemelha a dos astronautas atuais em suas festividades.
Além da presença marcante de deuses físicos em toda a história da humanidade, os OVNIs também foram denominados de aves, répteis e animais voadores, principalmente pelos indígenas. Tivemos Boitat , Mbai-Tat (cousa de fogo), Mboi-Guaçú (cobra grande), Nhandutat (passaro de fogo - "Thunderbird"), Carbúnculo (lagarto de fogo), etc... tudo isso no folclore brasileiro. Já os civilizadores os situaram no campo sobrenatural e criaram Mãe do Ouro, fantasmas, luzes fantasmas, Fogo Corredor, Curacanga, Mulher de branco, Alamoa, João Galáfuz e dezenas de outros mitos, por todo o território brasileiro. No início do século, criou-se uma denominação interessante para os OVNIs, a do Carro Fantasma. Um veículo que assombrou muita gente nas estradas intermunicipais.
Na história universal, encontramos milhares de relatos que nos falam sobre os OVNIs no correr dos milênios. No entanto, apesar de se fazerem presentes na história de todos, muitos não crêem na sua existência. E se assim o fazem é porque querem ainda considera-los como oriundos do céu, divinos. Não queremos dizer com isso que Deus é astronauta, pelo contrário, queremos dizer que Deus é o criador de tudo que existe e que não precisa de naves para vir ao nosso planeta...

Entrevista: Erich von Däniken

O garçom que se transforma em escritor de best-sellers e dedica sua vida à pesquisa de enigmas do planeta. Um caçador de extraterrestres que nunca viu um disco voador.
Erich von Däniken é um homem ocupado. A entrevista em Interlaken está marcada para durar uma hora e logo depois ele recebe a visita de outro jornalista. Seu calendário está completamente tomado nos próximos meses.
Centenas de exemplares do CD "Astropolis", sua última produção, estão espalhados numa grande mesa localizada no centro do seu escritório, assim como diversas anotações das palestras que ele fará em breve na Áustria. Ele chega bem-humorado e pergunta meu país de origem, se desculpando logo depois por não dominar muito bem o português.
Durante a conversa, o escritor mostra que é tão cheio de surpresas como os livros que escreveu.

Quando começou o seu interesse por enigmas e mistérios?

Como eu era uma criança impossível, meus pais acabaram me colocando num internato. Nesse estabelecimento jesuíta, onde era ensinado o grego e o latim, eu passei seis anos da minha vida.
Ao mesmo tempo eu era uma pessoa muito crente, como ainda sou hoje em dia. E na escola nós tínhamos que fazer traduções da bíblia em vários idiomas. Nesse momento eu comecei a questionar a minha própria fé, pois a dúvida era saber se outros povos do mundo também haviam vivido as mesmas histórias fantásticas e estranhas como as dos israelistas.
E essa curiosidade acabou levando-o para bem longe da Suíça, ao Egito, como está escrito na sua biografia?
Correto! Na escola eu tinha um amigo egípcio, cujos pais eram ricos. Um dia ele me convidou para conhecer seu país. Tinha dezoito anos e essa viagens ainda eram feitas à navio. Chegamos em Alexandria, conhecemos as pirâmides e fomos para Saccara, onde vi túneis subterrâneos que não eram acessíveis para turistas na época. Eu fiquei tão impressionado com essa construção, que nunca mais me esqueci desse dia. Assim começou meu fascínio pelo tema. As experiências que tive nesse país me marcaram profundamente.

Assim começa a carreira do escritor Erich von Däniken?

Quando era jovem, meu maior interesse era a origem das religiões. Porém, através da leitura de antigos textos indianos, percebi que muitas das histórias se repetiam. Elas falavam de alguém ou algo que veio do céu acompanhado por fumaça, fogo, terremotos ou ruídos impressionantes. Então surgiu minha questão: se esses povos não estão falando de Deus, de quem então? Eu não estava procurando extraterrestres. A pergunta veio por si só. Então comecei a pesquisar e nunca mais parei.

Você já exerceu uma outra profissão antes de ser escritor?

Na verdade minha família vinha do setor gastronômico. Depois de concluir a escola, eu fiz um curso de formação profissional como garçom. Quando escrevi meu primeiro livro, em 1966 ("Lembranças para o futuro"), eu era diretor de um hotel em Davos, nas montanhas suíças. Quando o livro se tornou um best-seller, abandonei então essa profissão.

E decidiu então estudar história ou outra ciência na universidade?

Não. Eu cheguei a pensar no assunto, porém na época isso nem passou pela minha cabeça. O que eu estava querendo fazer não era ensinado em nenhuma universidade. Naturalmente é possível estudar antropologia, porém existem diferenças: veja, egiptologia não é a mesma coisa que estudos americanos. Sendo assim, eu decidi ser autodidata e comecei a coletar meus conhecimentos nos livros. Eu li sem parar e falei com especialistas, professores e cientistas, sobretudo nos Estados Unidos. Um relacionamento me levou a outro. E assim montei uma rede de contatos no mundo inteiro.

Quando foram os países que você conheceu?

Eu já estive em todas as partes do mundo. Inicialmente meu interesse estava concentrado no Egito, Peru e Índia, porém depois que passei a ter uma maior abrangência. Só no Peru já estive mais de quarenta vezes. Em Nazca (nota da redação: local no Peru onde são encontradas as gigantescas figuras gravadas na terra), pelo menos vinte.

E como você organizava suas viagens?

Nunca viajei como turista. Antes de ir para um país, pesquisava nos livros tudo sobre sua história e os temas que eu pretendia pesquisar. Então embarcava, muitas vezes acompanhado por um auxiliar e quase sempre com um bom equipamento fotográfico. Ficávamos então semanas ou meses trabalhando. Em Cuzco, no Peru, não existem apenas ruínas: se você subir nas montanhas é sempre possível conhecer novas coisas. Assim que eu escrevi meus livros.

Você já viu um disco voador ou um extraterrestre?

Essa pergunta sempre me fazem. Pessoalmente eu nunca vi nenhum, mas costumo brincar dizendo que quando o Erich von Däniken aparece, os extraterrestres desaparecem.

E como você reagiria se visse um?

Eu iria lhe perguntar como o universo surgiu e se ele é finito ou infinito.

Por que seus livros nunca falam de enigmas em países como o Brasil ou a sua própria pátria, a Suíça?

Eu já estive algumas vezes no Brasil. Lá existem pinturas rupestres interessantes na região nordeste, porém o país nunca foi habitado pelas chamadas grandes culturas como os incas ou maias. Esse é o caso da Suíça também. Essas culturas só existiram ao sul do equador até 23o paralelo.

Você ficou surpreso com a recente descoberta de novas figuras gigantes em Palpa, no Peru?

Para mim isso não foi uma surpresa, pois eu sempre soube da existência delas. Essas figuras já existiam há uma eternidade, mas ninguém havia publicado nada sobre o assunto. Além disso, eu tenho certeza que outras ainda irão aparecer.

Por que a ciência tem tanta dificuldade para aceitar suas teses de contatos extraterrestres com essas culturas?

A arqueologia é o setor responsável por encontrar respostas aos enigmas que apresento. Ao mesmo tempo, ela é uma ciência conservadora e que não leva à sério muita das hipóteses que estão sendo levantadas. Isso é uma questão dos modelos que os cientistas têm na cabeça ou do tempo em que eles vivem. O que não é levado em consideração hoje em dia, pode ser tema de pesquisa no futuro. Afinal a ciência vai se desenvolvendo. O que os cientistas precisam fazer é ler os livros de Erich von Däniken (risos).

Recentemente um cientista, o diretor do Museu Romano de Lausanne o chamou de impostor arqueológico.

Eles não entendem nada da minha mensagem. Veja o Mystery Park: em nenhum dos pavilhões, shows ou exposições que apresentamos você encontra respostas. Tudo termina com uma pergunta. O problema é que esses cientistas não querem que algumas questões sejam levantadas, pois são pessoas antiquadas, avessas à modernidade. Eu só posso rir desse comportamento. Eles não lêem meus livros e tentam me ridicularizar.

Como você revida as acusações?

Na opinião desse diretor de museu, eu teria afirmado que os extraterrestres construíram as pirâmides ou as formações em Nazca para funcionar como aeroporto de disco voador. Isso é besteira, pois essas construções foram sempre obras de seres humanos! A pergunta que eu levanto é de outra natureza: eu gostaria de saber por que esses povos construíram templos gigantescos ou pirâmides. Se me respondem – foi por causa dos Deuses – eu quero saber: que tipo de deuses? Seria o deus da terra, do sol, o das estrelas, o dos terremotos ou o dos vulcões? Não há problema! Mas se os deuses falaram, passaram alguma informação, então já não é possível dar uma explicação natural para essas obras.

Então você considera que tudo o que Erich von Däniken escreveu é correto?

Eu não sou nenhum guru. Ninguém precisa acreditam em mim. Meu esforço pode ser um pouco messiânico, mas não quero ser o dono da verdade. Existem outras explicações para os mistérios do planeta, mas o importante é levantar questões. Meus críticos já tiveram muitas vezes razão, às vezes eu. Isso em si não é um problema, pois se eu pegar um livro científico de vinte e cinco anos atrás, nós também iremos encontrar muitos erros ou informações incorretas. A ciência deve ser viva e esse é o caso do meu trabalho.

Depois do Mystery Park, qual é o próximo projeto de Erich von Däniken?

Não tenho nenhum projeto próprio, mas nossa fundação está pagando para a realização de um pesquisa em Nazca, no Peru. Lá uma equipe científica não está realizando o trabalho de sempre como escavações, análises de fundamentos arqueológicos, etc. As perguntas que eu faço são as seguintes: houve mudanças do campo magnético em lugares específicos? As linhas finas sobre as chamadas "Las pistas" teriam sido feitas com o mesmo material? As respostas virão em um ano.

OVNIs, verdade guardada em segredo ou pura fantasia?

Único em seu gênero no país, o “Centro Ufológico da Suíça Italiana” (CUSI) coleta e analisa os testemunhos de manifestações incomuns.
Segundo a diretora do centro, Candida Mammoliti, há evidências suficientes para provar que a vida extraterrestre não é apenas coisa de ficção científica.
A notícia saiu em vários jornais da Suíça: durante uma noite do outono de 2008, um objeto voador extremamente luminoso foi visto acima de Claro, perto de Bellinzona, no Ticino (sul).
Entre as numerosas testemunhas, um político local, Pierre Rusconi, que diz ter visto "a coisa" se deslocando no céu a uma velocidade três vezes maior que a de um avião. Logo depois, informaram que naquele mesmo dia, a Estação Espacial Internacional (ISS) havia passado sobre a região. Para alguns, o misterioso objeto podia ter sido um meteorito.
Se o aparecimento em questão pode ser explicado de forma racional, existem vários outros casos em que uma pessoa comum se depara com fenômenos claramente anormais, explica à swissinfo.ch Candida Mammoliti, diretora do CUSI. "Se um objeto flutua, muda a forma ou se move em uma velocidade exorbitante, estimada entre 30 a 40 mil quilômetros por hora, podemos supor, com boa razão, que se trata de movimentos inexplicáveis".
"Qualquer piloto militar ou companhia aérea pode dizer que é impossível fazer uma curva de 90 graus. No entanto, nos documentos que foram coletados, vemos que essas coisas acontecem."

Avistamentos em alta

Criado em 1995, o centro privado CUSI registrou até agora 400 casos de OVNIs. "Nós trabalhamos de forma científica: para cada avistamento preenchemos uma ficha e, em seguida, procedemos a uma avaliação", afirma Mammoliti.
Segundo a diretora do observatório de extraterrestres, a maioria dos relatos são facilmente explicados por fenômenos atmosféricos ou astronômicos. Ou porque a pessoa confundiu um avião com algo desconhecido. "Em outros casos, no entanto, estamos claramente diante de um OVNI, um objeto voador não identificado. Nesse caso, apuramos para ver se é uma matriz não-terrestre”.
Para a avaliação técnica de fotografias e imagens de vídeo, o centro é aconselhado por técnicos de informática, pilotos e funcionários do Centro ufologico nazionale da Itália.
A impressão, diz Mammoliti, é que nos últimos anos os avistamentos estão aumentando. "Talvez as pessoas estejam um pouco mais atenciosas ou comunicam mais facilmente suas próprias experiências. Deve ser dito que a testemunha de um avistamento hesita muitas vezes em falar sobre isso, com receio de ser ridicularizada. É uma pena que as reações sempre falam de alucinações e falsas interpretações".

Anomalias no trigo

Para a grande parte do mundo científico, político e da opinião pública todos os fenômenos até agora classificados como "alienígenas" são perfeitamente explicáveis: das estranhas formas geométricas feitas em plantações às formações luminosas no céu, do incidente de Roswell aos mistérios do Triângulo das Bermudas. Mas será que estamos realmente certos?
Para Candida Mammoliti, trata-se de tentar esconder algo "difícil de explicar, mas que diz respeito a todos”. E não faltam provas para isso. "Há vestígios de aterrisagens e inúmeros testemunhos de pessoas credenciadas: pilotos, astronautas, cientistas, físicos nucleares e políticos, reunidos desde 1947, ano em que o piloto americano Kenneth Arnold relatou pela primeira vez publicamente ter visto um OVNI". 
"Tem também o caso do coronel da força aérea americana Philip Corso, que autentificou a autópsia realizada em criaturas recuperadas depois do acidente em Roswell, em 1947." E os famosos círculos em plantações? Os partidários da mensagem extraterrestre ficaram contrariados com as revelações dos dois aposentados ingleses que admitiram ter realizado a farsa. "Na origem de muitos círculos - diz Cândida Mammoliti - há realmente pessoas, é inegável. Fomos, no entanto, até a Inglaterra para examinar de perto estas formações. As descobertas foram extraordinárias”. 
"O trigo dobrado apresentava anomalias. Os grãos pareciam atrofiados, deformados em alguns casos. Os caules foram dobrados na mesma altura e tinham os nódulos inchados. Uma pessoa pode fazer um círculo na plantação, mas não pode alterar a estrutura do vegetal." Nenhuma ameaça vinda do espaço.
Para reforçar a crença daqueles que acreditam na existência de seres extraterrestres, o site do FBI publicou, há algumas semanas, os documentos relacionados com o caso e considerados confidenciais. Segundo uma fonte citada em um documento da força aérea americana de 1950, foram encontrados em Roswell (Novo México) três discos voadores ocupados por "três corpos de forma humanóide de pelo menos um metro de altura e vestidos com um tecido metálico”. Candida Mammoliti prefere, no entanto, ser cautelosa. "Não sabemos se são documentos verdadeiramente autênticos”.
Porém, o que é certo, argumenta, é que os governos do mundo estão interessados em fenômenos extraterrestres. Um deles seria o da Suíça. "Luc Bürgin é um ufólogo de Basileia. Em um de seus livros foram publicados documentos da força aérea suíça dos anos 70, que se referem a relatórios detalhados de avistamentos.
Assim, pelo menos no passado, esses fenômenos eram estudados nas instalações militares da Suíça." "Eu acho que a força aérea está ciente desses fenômenos - afirma Mammoliti - mas não se interessa muito pelo assunto. Para as forças armadas, o mais importante é a garantia da segurança nacional e os OVNIs não são, de forma alguma, uma ameaça."
Os OVNIs, ou mais especificamente a vida extraterrestre é sem dúvida uma das questões que durante séculos tem dividido opiniões. Dos Maias até hoje, a questão OVNI foi tema de diversas publicações, imagens e debates.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

A historia por detras da foto de disco voador considerada genuína

Em 23 de fevereiro passado, publicamos aqui no OVNI Hoje um artigo sobre a recompensa que será dada por James Fox para quem apresentar a evidência mais convincente sobre visitação alienígena. No artigo, colocamos a foto de um ‘disco voador’ clássico que teria sido tirada pela canadense Hannah McRoberts em 1981, foto esta considerada como sendo a de uma nave legítima.

Abaixo, o histórico desta foto:

Hannah McRoberts, de Campbell River, BC – Canadá, na época com 25 anos de idade, estava com sua família em uma área de descanso, a uns 48 quilômetros da Baía de Kesley, na costa leste da Ilha de Vancouver. Lá ela permaneceu entre 10 a 15 de outubro de 1981. Durante sua estadia de cinco dias, ela sempre tirava várias fotos de sua família e da paisagem local, usando sua câmera Mamiya de 35mm, com uma lente de 50-55mm, velocidade 125 e filme ASA 100.
A um dado momento durante as férias, eles observavam um dos picos das montanhas, o qual estava rodeado por uma nuvem; assim McRoberts tirou uma foto. Ninguém do grupo notou nada de mais no céu naquela hora, e a presença do OVNI foi somente descoberta por eles quando revelaram o filme mais tarde.


Foto original, com ampliação do objeto.

A foto resultante mostra um objeto à direita e acima do pico e da nuvem. Esta foto chegou à atenção do Sr. David A. C. Powell, de Vancouver, que fazia parte da equipe do Planetário MacMillan daquela cidade. Este contatou Bill Allan e o forneceu uma ampliação da foto, e também contatou a APRO, de Tucson, Arizona, nos Estados Unidos, que é um grupo de investigadores de OVNIs, o qual alega ser o mais velho do mundo.


Enquanto isso, o Sr. Allan conversou com Hannah McRoberts para entrevistá-la no programa de rádio da estação CKOV Kelowna, durante o qual ele chegou à conclusão de que a história da McRoberts era inteiramente verdadeira e que eles tinham em mãos “uma foto legítima de um modelo clássico de OVNI“.
O local onde Hannah McRoberts tirou a foto fica a uns 450 km ao noroeste do Monte Rainier, no estado de Washington – EUA, onde Kenneth Arnold alegou ter avistado nove discos voadores em 24 de junho de 1947, se movendo em formação à velocidade de 1900 km/h e à uma altitude de 3000 metros.
Devido às suas experiências passadas, o Sr. Allan conseguiu que o negativo desta foto permanecesse somente nas mãos de Hannah McRoberts.
Neste meio tempo, a APRO passou suas cópias da foto para um dos mais proeminentes especialistas consultores, o Dr. James Harder, que é Professor de Engenharia da Universidade da Califórnia em Berkely, e ele e a APRO concordaram que o negativo deveria permanecer aonde estava.
Na Inglaterra, cópias da foto foram entregues ao consultor fotográfico, Sr. Percy Hennell, que é considera um perito naquele país em fotografia colorida.
Após um exame cuidadoso, o Sr. Hennell informou que ele preferiria ter o negativo em mãos, pois todos os tipos de truques são possíveis e ocorrem. Mesmo assim, ele disse que não encontrou nada duvidoso ou suspeito na foto, embora alertou que se a foto fosse mesmo genuína, então o disco deveria ter um tamanho enorme (possivelmente 300 m de diâmetro), por ter se mostrado tão grande a tal distância.
No Boletim da APRO, Vol. 30, No. 12, no qual o Dr. Jamer Harder submeteu seu relatório sobre a foto de 4 de novembro de 1982, sairam as seguinte conclusões: “Levando-se tudo em conta, a foto apresentada aqui parece ser uma foto excelente e provavelmente genuína de um disco voador clássico visto à luz do dia…“.
Em uma outra carta do Sr. Allan, ele comenta quanto a referência do Dr. Harder ao fato de que a foto de Hannah McRoberts é uma dentre uma sequência de fotos ao ar livre, e diz: “É uma lástima quenão foram mantidas juntas as exposições individuais no rolo, mas quando eu vi o negativo, ele ainda não estava separado“.
Com relação à pessoa que tirou a foto deste OVNI, o Sr. Allan diz: “O que é de suma importância para mim é o fato de que Hannah McRoberts é a sobrinha de um dos mais renomados engenheiros nucleares do Canadá; um homem encarregado de um complexo elétrico de vários bilhões de dólares, o qual conheço desde quando ele frequentava minhas aulas na Western Canada High School em Calgary, Alberta.”
E esta é uma síntese da história por detrás da foto considerada genuína de um ‘disco voador’ .

Fonte: ovnihoje.com

Arquivos sobre Ovnis Russos

Os arquivos compreendem relatos que remontam à União Soviética.
A notícia veiculada pelo periódico Rússia Today, sobre a abertura ao público dos arquivos ufológicos da Marinha Russa, trás um sopro de esperança a todos os defensores da “abertura ufológica”, isto é, da oficialização, por parte das instituições, do fenômeno ufológico e da presença extraterrestre nos nossos céus.
A Rússia não é a primeira a dar esse passo e assim se unir a outros órgãos militares e governamentais que tornaram públicos seus arquivos, entre os quais recordamos Irlanda, França, Inglaterra, Equador, Uruguai, Dinamarca, Suécia, Canadá e, em parte, até mesmo os Estados Unidos através do FOIA (Freedom of Information Act).
Todos os relatos de incidentes inexplicáveis, provenientes dos navios e submarinos russos, estão até hoje descritos e catalogados em uma repartição especializada da Marinha, gerenciada pelo almirante Nikolay Smirnov, e referem-se também aos tempos da antiga Rússia.
Vladimir Azhazha
Vladimir Azhazha, oficial da velha guarda da Marinha russa, hoje pesquisador ufológico em tempo integral, assim como outros seus colegas oficiais, parece não ter muitas dúvidas quanto à natureza extraterrestre de grande parte dos fenômenos catalogados: “50% dos contatos ufológicos tem, de algum modo, conexão com os oceanos. A isso acrescenta-se 15% em concomitância com lagos. Parece que os ufos gostam de água”.
Num dos relatos, um submarino nuclear em missão de combate no Oceano Pacífico avistou no radar seis objetos desconhecidos. Depois de tentar algumas manobras evasivas sem sucesso, o capitão ordenou a emersão, e então viu com estupefação os objetos seguirem o submarino até a superfície e depois voarem para o céu.
Muitos casos anômalos são verificados também no famoso Triângulo das Bermudas, como relata o comandante de submarino, almirante Yury Beketov. Naquela região os instrumentos pareciam enlouquecer sem motivo algum e recebiam forte interferência; uma das explicações possíveis, segundo o almirante, poderia ser a presença de ufos. “Em diversas ocasiões os instrumentos forneceram leituras dos objetos materiais que se moviam a uma velocidade incrível. Segundo os cálculos, falou-se de 230 nós (400 Km/h). Velocidade extrema até mesmo na superfície imagine embaixo d’água, onde a resistência é maior. É como se esses objetos ignorassem as leis da física. Há somente uma explicação: as criaturas que construíram estes meios superam em muito nosso desenvolvimento”.
O capitão Igor Barklay, veterano da inteligência da Marinha comenta: “Em geral, esses ufos se mostram onde estão concentradas os nossas frotas ou as da NATO [North Atlantic Treaty Organization – uma organização internacional estabelecida com propósitos de segurança – N. T.] Próximo às Bahamas, Bermudas, Porto Rico. São freqüentemente observados nas partes mais profundas do Oceano Atlântico, na parte sul do Triângulo das Bermudas e nos mares do Caribe”.
Outro lugar onde seguidamente existem sinais de avistamento de ufos na Rússia é no lago Baikal, a bacia de água doce mais profunda do mundo. Os pescadores relatam luzes tão fortes que cegavam e saíam voando para fora do lago.
Em 1982, um grupo de mergulhadores militares em treinamento no lago avistou um grupo de criaturas humanóides em trajes prateados. O encontro se deu a uma profundidade de 50 metros. Os mergulhadores tentaram capturar as criaturas. Três dos sete mergulhadores morreram, enquanto os outros quatro ficaram gravemente feridos.
Segundo Azhazha, é importante não excluir nenhuma hipótese, e pensa inclusive na presença de bases alienígenas submarinas: “O ceticismo é sempre a estrada mais simples: não acredito em nada, não faço nada. As pessoas raramente visitam as grandes profundidades. Saberiam quão importante é analisar bem as coisas que vêem lá embaixo.”
Antes dos anos 80 o fenômeno ufo era considerado tabu na Rússia; até mesmo brincar com isso era proibido.
Veja alguns videos abaixo : 

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Ex-agente da CIA diz que Ovni foi encontrado nos EUA há 65 anos

No 65º aniversário do Incidente Roswell, Chase Brandon, que serviu à CIA (Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos) por mais de duas décadas, revelou a existência um arquivo oculto da CIA sobre o objeto voador não identificado (óvni) supostamente encontrado na cidade americana. "É, realmente aconteceu", afirma o funcionário. As informações são do site do jornal britânico Daily Mail.
O caso se refere aos acontecimentos ocorridos em julho de 1947 em Roswell, no Novo México (EUA), onde teriam sido encontrados destroços de um disco voador. Teóricos da conspiração acreditam que corpos de alienígenas tenham sido autopsiados, e que as tecnologias modernas tenham sido criadas a partir de descobertas feitas no interior da nave.
O agente disse que a informação está escondida em um cofre dentro do quartel general da agência na cidade de Langley. "Foi em uma área restrita. Havia uma caixa que chamou minha atenção. Estava escrito sobre ela 'Roswell'. Eu remexi dentro dela, coloquei a caixa na prateleira e disse: 'meu Deus, realmente aconteceu'", conta o agente. "Não era um balão meteorológico - como foi afirmado na época - era uma nave de outro planeta", afirma.
Por 25 anos, Brandon serviu no serviço clandestino de elite da CIA como agente infiltrado, oficial de operações secretas desempenhando missões que envolviam terrorismo internacional, tráfico de drogas e contrabando de armas.
Quando o incidente em Roswell aconteceu, autoridades militares divulgaram um comunicado à imprensa, que começava assim: "Os muitos rumores sobre um disco voador se tornaram verdadeiros ontem, quando o oficial de inteligência do 509º Grupo de Bombardeios da Força Aérea americana, com base aérea em Roswell, se apoderou de um disco."
Porém, apenas 24 horas depois, os militares mudaram sua história e declararam que o objeto que eles pensaram ser um disco voador era, na verdade, um balão meteorológico que havia caído em um rancho próximo do local. Surpreendentemente, a mídia e o público aceitaram a explicação sem questionar.
Agora, agentes como Brandon questionam a versão oficial do acidente. Ele afirma, no entanto, que não vai revelar exatamente o que havia dentro da caixa que "acabou com suas dúvidas sobre o incidente de Roswell". "Havia alguns materiais escritos e algumas fotografias, e isso é tudo que eu vou dizer sobre o conteúdo da caixa", declarou ao Huffington Post.

Documentos

Documentos divulgados anteriormente parecem confirmar a história de Brandon - ou pelo menos a ideia de que autoridades americanas estariam encobrindo o envolvimento com alienígenas. Um memorando que parece provar isso foi publicado pelo FBI. O departamento tem disponibilizado milhares de arquivos em um site chamado The Vault (O Cofre, em tradução livre).
Entre eles, está o memorando escrito por Guy Hottel, agente especial encarregado do escritório de Washington em 1950. No documento, cujo assunto é "Discos Voadores", Hottel revela que um investigador da Força Aérea declarou que "três chamados 'discos voadores' haviam sido recuperados no Novo México". O investigador teria dado a informação a um agente especial. O FBI censurou a identidade do agente e do investigador.
"Eles foram descritos como sendo de forma circular, com aproximadamente 50 m de diâmetro", afirma Hottel. "Cada um teria sido ocupado por três corpos humanos, mas de pouco mais de um metro", acrescentou. Segundo o relato, os corpos estariam vestidos com panos metálicos e cada um foi enfaixado de um modo semelhante ao utilizado nas roupas usadas por pilotos de teste de velocidade

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Força Aérea Argentina está investigando 23 casos ufológicos

Algumas ocorrências podem ser positivas (inexplicáveis), segundo os militares - Crédito: Inexplicata/Scott Corrales
Equipe de profissionais procurará agora provas científicas, mas os ufólogos dizem que o estado não demonstra vontade de liberar arquivos secretos.
Há aproximadamente um ano, uma notícia surpreendeu a sociedade argentina: a Força Aérea montava uma comissão para pesquisar os casos de UFOs nos céus da nação [ Veja Argentina acaba de confirmar decisão de criar comissão oficial de pesquisa ufológica e Apresentada comissão oficial para estudo do Fenômeno UFO na Argentina ]. Até hoje, esse organismo recebeu 102 denúncias. A maioria não prosperou, mas outros 23 casos já estão em uma segunda etapa de investigação. E ainda que os responsáveis pela comissão não queiram dar detalhes, porque “se trata”, dizem, “de informação confidencial”, deixaram abertas as chances de que algum deles seja positivamente inexplicado. Os ufólogos, no entanto, duvidam de que essa confirmação chegue em algum momento.
A Comissão de Investigação de Fenômenos Aeroespaciais (CIFA) [Ou como divulgado na matéria original, Comissão de Estudo de Fenômenos Aeroespaciais (CEFAE), também mencionado em outras fontes como Comissão de Estudos de Fenômenos Aeroespaciais ou Celestes (CEFAC)] começou a trabalhar em abril de 2011, ainda que tenha se oficializado em 06 de maio. Desde então, o organismo da Força Aérea Argentina (FAA) recebeu 102 denúncias de fenômenos estranhos, entre as quais 79 foram confusões óticas ou más interpretações de acontecimentos explicáveis, e inclusive tentativas de fraude, com fotos adulteradas. Mas outras 23 pesquisas seguem seu curso. Uma delas foi uma estranha luz avermelhada que um piloto de um voo charter que ia do Aeroporto a Ushuaia avistou à altura de Comodoro Rivadavia.
“O objetivo é reunir informação para apurar os dados científicos”, explicou o comodoro Guillermo Oscar Aloi, licenciado em informática e há menos de um mês chefe da CEFAE. “Não queremos gerar falsas expectativas”, preveniu o capitão Mariano Mohaupt, membro da equipe.
Até agora, a comissão não saiu à caça do inexplicável, se concentra nos relatos que recebe no site da FAA ou no edifício Cóndor. O primeiro filtro é um questionário com mais de 30 pontos que cada interessado deve preencher. Depois, com as respostas, aplicam-se dois sistemas de medida que somam pontos segundo a estranheza do fato (entre outros fatores, luminosidade e movimento) e a credibilidade da testemunha. Da pontuação final, depende que o caso continue ou seja descartado.
Se avançar, consulta-se aos meteorologistas, engenheiros aeronáuticos, técnicos em radar e em posicionamento satelital que fazem parte do organismo, entre outros profissionais. Procura-se reconstruir que ocorreu e as conclusões dependem desses relatórios. CRÉDITO: CLARÍN
Mas no mundo da Ufologia, as opiniões estão divididas. Enquanto alguns pesquisadores acham que a comissão dará institucionalidade ao seu trabalho, outros não ocultam fortes críticas. “Nós contabilizamos 250 fatos no ano passado e a CEFAE não pesquisou nem opinou sobre nenhum. As Forças Armadas criaram equipes para pesquisar UFOs desde 1962, mas jamais explicaram nada”, disparou Luis Burgos, titular daFundação Argentina de Ovnilogía (FAO) de La Plata e coordenador da Rede Argentina de Investigação Ovni (RADIO). Adrián Nicala, jovem pesquisador que trouxe à público a onda de avistamentos no oeste do país, coincidiu: “Não há vontade de desclassificar arquivos. Qualquer ufólogo com impulso consegue mais que uma comissão oficial”.
Diante dessas queixas, a FAA elege a prudência. “Procuramos um perfil técnico, não queremos participar em polêmicas”, assinalou Mohaupt. Aloi precisou: “A CEFAE conta com 21 profissionais especializados e com a possibilidade de consultar outros organismos do Estado. Isso é muito valioso e as portas estão abertas para qualquer caso que nos envolva”.
Um dos cinco civis que colaboram com a comissão, o pesquisador de La Plata Carlos Ferguson, adverte:“Que ainda não tenha um caso sem explicação é compreensível, porque os casos fortes não são abundantes. Mas a cada dois ou 3 anos aparecem fatos que resistem a todas as provas”.
CRÉDITO: CEFORA
Adicione Nosso Facebook: www.facebook.com/ufolologia.missioneira

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Ovnis na serra da mantiqueira entre SP,RJ,MG brasil

Grande incidência de UFOs na Serra da Mantiqueira
Uma das maiores e mais bonitas serras do país é também rica em lendas folclóricas originadas a partir da intensa atividade de seres extraterrestres no local
Entre todos os locais do país em que observações ufológicas são comuns, um se destaca, além de outras razões, pela sua beleza natural. Trata-se da Serra da Mantiqueira, localizada na intersecção dos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, em cujos campos e inúmeros municípios há enorme quantidade de relatos de avistamentos de sondas e até de naves estruturadas, que parecem se manifestar no local de forma constante e há muito tempo despertam a atenção de abnegados ufólogos. Alguns deles, inclusive, em virtude do grande número de observações já registradas lá, formaram grupos especializados no estudo da manifestação do Fenômeno UFO naquelas paragens, para melhor recolher, catalogar e interpretar os depoimentos das testemunhas de tais acontecimentos. Esse foi o caso do saudoso Grupo de Estudos de Objetos Aéreos Não Identificados (Geoani), que teve sua sede na cidade de Itajubá e analisou dezenas de ocorrências ufológicas na área. Hoje a entidade está fechada.
Itajubá parece ser epicentro dos fatos e ponto estratégico para sua pesquisa na Serra da Mantiqueira. Situada à margem direita do Rio Sapucaí, a 856 m de altitude e distante cerca de 420 km de Belo Horizonte, 85 km de São Lourenço e 256 km de São Paulo, a cidade hoje tem pouco mais de 90 mil habitantes. Nos anos 60, seus moradores viveram emocionantes momentos de uma intensa onda ufológica.
No segundo semestre de 1967, por exemplo, Itajubá e outras regiões do sul de Minas Gerais foram palco de espetaculares acontecimentos, em que estranhos objetos voadores podiam ser vistos frequentemente sobre a área. Com o compromisso de recuperar, ao menos em parte, a história da Ufologia Brasileira, esse autor decidiu tentar resgatar a pesquisa de tais casos efetuada na época pelo Geoani, contida no artigo Serra da Mantiqueira: Local Preferido Pelos OVNIs, do jornalista, astrônomo amador e ufólogo A. S. August, que no final daquele ano o incluiu na sensacional série O Estranho Mundo dos Discos Voadores, de sua autoria, publicada pelo jornal Diário Popular, de São Paulo.
No processo, descobriu-se que um dos primeiros fenômenos ufológicos na cidade foi um contato de terceiro grau, ocorrido na madrugada fria de 05 de junho daquele ano. Eram cerca de 00h30 quando o motorista Geraldo Baqueiro retornava do Rio de Janeiro conduzindo uma ambulância. Momentos antes, ele havia parado em Piquete, subindo depois a serra com destino a Itajubá. A viagem, que até então era tranquila, foi interrompida a três quilômetros do alto da serra por uma luz vermelha que, à primeira vista, nada mais era do que a luz traseira de um caminhão. Contudo, à medida que a luz foi se aproximando, e piscava, o motor da ambulância começou a falhar. Isso foi acontecendo gradativamente, até que, em uma curva no alto da serra, ele parou por completo. Ao mesmo tempo, o rádio emudeceu e os faróis apagaram. Nesse instante, Baqueiro notou diante de si, flutuando a uns cinco metros de altura, um disco voador branco e metálico, redondo e com cerca de 15 m de diâmetro. Um detalhe interessante é que ventava muito nas proximidades do local, o que o levou a imaginar que tamanha agitação provinha do que chamou de “escapamentos do objeto”.
Alguns seres no objeto observavam o motorista atentamente através de uma espécie de visor semelhante a um para-brisa — eles lembravam figuras de gatos com porte de homens. Sem ter ideia de quanto tempo permanecera ali, Baqueiro se recordava apenas que, quase imediatamente, o objeto pôs-se a subir, desaparecendo no horizonte por trás da montanha. Logo em seguida, os faróis da ambulância reacenderam, o rádio voltou a funcionar e o vento cessou. De volta ao veículo, a testemunha seguiu viagem, mas somente chegou à sua casa, na cidade de Itajubá, cerca de quatro horas depois. Temendo que o julgassem louco, ele confiou o relato somente à sua esposa, porém, os vizinhos logo ficaram sabendo. O fato chegou ao conhecimento do professor Hélio Mokarzel, então presidente do Geoani, que submeteu Baqueiro à hipnose — dessa forma foi possível apurar os acontecimentos. Quase um mês depois, às 13h30 de 03 de agosto, João Vicente [Os nomes utilizados são fictícios a pedido das testemunhas], morador de Itajubá, observou um objeto discoide realizando evoluções em movimento oscilatório. Com o auxílio dos binóculos, ele pôde notar que o UFO descia em direção ao Vale de Anhumas, ao sul de onde se encontrava. 

Esfera luminosa sobre o morro 

Naquela mesma tarde, entre 14h00 e 15h00, o funcionário público federal Reinaldo Flores avistou uma “bacia metálica voadora”, como descreveu, que emitia um forte zumbido e saiu do Vale de Anhumas em ascensão inclinada, à 45° sudeste. O Geoani, em investigações feitas in loco, constatou que realmente foi ouvido um forte zumbido naquele dia. Outra testemunha, inclusive, afirmou que, ao mesmo tempo, viu uma “coisa amarela” subir em direção ao céu. Então, considerando os vários depoimentos, o grupo concluiu que o objeto teria pousado ou permanecido pairando no ar, a baixa altura, por cerca de 40 minutos. Exatamente às 24h00 de 10 de agosto de 1967, Márcio Gomes, morador do Bairro Cruzeiro, e mais quatro pessoas de sua família viram um objeto metálico que, de acordo com seu trajeto, mudava repentinamente de cor e direção. O estranho aparelho estava a uma altura aparente de 50 m e também emitia um forte zumbido.
crédito: Esen sekerkarar

Na região são possíveis e até comuns avistamentos de objetos discoides mesmo durante o dia

Das quatro pessoas presentes, a que portava os binóculos definiu o aparelho como “uma bola com abas” ou “dois pratos, com uma bola em cima e outra embaixo”. Inicialmente, o UFO estava a baixa velocidade, mas depois partiu feito um bólido na direção oeste-leste. Durante todo o tempo que durou a observação — cerca de 15 minutos —, a família notou que os cães da vizinhança não pararam de latir. Eles somente silenciaram após o afastamento do objeto. Às 19h30 de 19 de agosto, no bairro de Varginha, ainda em Itajubá, Luiz Henrique, em companhia de um casal e um garoto de 14 anos, observou três estranhas esferas metálicas. Elas eram semelhantes a uma bola de futebol e caminhavam juntas, mantendo entre si uma distância de aproximadamente 50 m e uma altura de 500 m, rumando velozmente para a Serra da Mantiqueira. Às 03h35 de 21 de agosto do mesmo ano, 1967, José Bernardo acompanhou, durante três minutos, a passagem de um objeto azul, voando a baixa altitude na direção sudoeste-norte e emitindo um ruído semelhante ao zumbido de abelhas. O que mais chamou a atenção de Bernardo foi o fato de que do aparelho pingava uma substância parecida com ouro.
Para aproveitar a onda de estranhos fenômenos, o grupo ufológico realizou uma vigília em Itajubá no final de agosto. Certa noite, por volta das 20h20, um de seus membros alertou os demais para uma esfera luminosa que despontava sobre o morro. No início, não era possível afirmar que se tratava de um disco voador, principalmente porque a visibilidade era prejudicada pela intensa fumaça das queimadas, comuns naquela época do ano. Entretanto, pouco tempo depois, o objeto, que estava a um ângulo de 90º em relação à Lua, dividiu-se ao meio, no sentido horizontal, transformando-se em duas calotas esféricas. De dentro da inferior saíram outros três objetos luminosos, que desapareceram atrás do morro juntamente com a calota inferior.

Períodos arqueanos e algonquianos

Após algum tempo, os aparelhos regressaram e a esfera se recompôs, fez várias evoluções e foi diminuindo sua luminosidade até apagar. Àquela altura, os observadores já haviam solicitado auxílio de outros membros do grupo, entre eles o professor Mokarzel. Por volta das 22h10, e até às 03h30, vários pontos luminosos puderam ser vistos na encosta do morro. Eles não se movimentavam, simplesmente desapareciam e ressurgiam em outros lugares da montanha. Logo que amanheceu, uma caravana foi para o local entrevistar os moradores. Um deles, Joaquim, confirmou ter visto, no alto do morro, uma “bola de futebol luminosa”. Amedrontado, ele correu para a casa de um conhecido, o senhor Benedito Amaro, que mora a cerca de 400 m dele. O relato de Joaquim correspondia exatamente, até mesmo no horário, com os avistamentos do grupo no alto da Escola de Engenharia, onde havia sido montado um posto de observação. Na ocasião, foram usados binóculos e uma luneta de 30 x 60 mm, e estavam presentes o engenheiro Araújo, o médico Pereira, Alcides Rodrigues Moura e Walter Serrano, todos ligados ao Geoani, além de seu presidente Antonio Lisboa.
“Nos anos 60, os moradores da Serra da Mantiqueira viveram momentos emocionantes de uma intensa onda ufológica, como no segundo semestre de 1967, no município de Itajubá”
Como poderiam ser explicados os constantes fenômenos ufológicos na região? Por que razão as áreas adjacentes à Serra da Mantiqueira seriam uma das preferidas pelos seres alienígenas? Recortada por vales profundos, com rios de água límpida cruzando fraturas e depressões para formar corredeiras e cachoeiras, cercadas por paisagens deslumbrantes, essa cadeia de montanhas é constituída por terrenos muito antigos, com idade aproximada de 70 milhões de anos — dos períodos arqueanos e algonquianos. Trata-se de um dos principais acidentes geográficos do sudeste brasileiro. Na Serra da Mantiqueira — Amantiquira, na linguagem dos índios, que significa pouso das chuvas — as águas nascem e formam rios que dão origem a bacias hidrográficas importantes, como a do Rio Grande, que deságua no Paraná. Esse, por sua vez, corre em direção ao sul e, quando sai do Brasil, recebe o nome de Rio da Prata.
Toda a vasta região da Serra da Mantiqueira viveu dois ciclos do ouro, nos séculos XVIII e XX. Não obstante, de acordo com o ufólogo A. S. August, o subsolo seria mesmo rico em talco, que nada mais é do que silicato hidratado de magnésio — uma massa mole, branca e esverdeada, escamosa e um tanto untuosa. “Não se conhece um processo econômico de obtenção de magnésio puro a partir de talco. Mas isso não impedirá que se descubra, com o passar do tempo, um sistema que permita retirar o precioso metal de seu silicato, com características de rendimento econômico e, até mesmo, em escala industrial”, declarou o pesquisador sobre a região. August completou ainda que, o processo atual, antieconômico, consiste em tratar o talco com soda cáustica, obtendo da reação dois compostos: silicato de sódio e óxido de magnésio. “Depois da separação dos compostos, o óxido de magnésio é tratado com um redutor energético, obtendo o metal sob a forma pura”, explicou.

UFO com desarranjo mecânico

Para o ufólogo, que se especializou na casuística ufológica da Serra da Mantiqueira, os discos voadores eram constituídos basicamente de magnésio, um metal branco, argênteo, muito leve e estável no ar à temperatura ordinária. Largamente encontrado na natureza em forma de compostos, dos quais os mais importantes são magnesita, dolomita, cainita, carnalita e vários silicatos como olivina, estatita, amianto, serpentinita, espinélios, espuma do mar, talco, esteatita e outras, seu ponto de fusão é de 651° C e de ebulição é de 1.100° C. Aquecido a certa temperatura, inflama-se e arde no ar atmosférico, em vapor d’água, gás carbônico etc, emitindo uma luz muito brilhante e ativa. Considerando a profusão dos casos de UFOs com aparência metálica, luminosa e esbranquiçada, August afirmou que esse aspecto é resultante do magnésio existente em sua composição: “A luminosidade poderia ser explicada pela reação do magnésio às gotículas de água em suspensão na atmosfera. Ela seria, então, resultado da combustão da própria estrutura dos discos voadores, que se desgastariam com o uso”, especulou.
Considerando válido o raciocínio e admitindo-se que os UFOs necessitassem repor o material, nada mais lógico do que supor que seus tripulantes estariam minerando a Serra da Mantiqueira. É oportuno lembrar o caso que veio a público quando, em 1957, o célebre colunista social Ibrahim Sued informou ter recebido diversos fragmentos recolhidos por um caiçara em Ubatuba, litoral norte de São Paulo. Segundo a versão divulgada, as testemunhas viram um objeto em forma de disco mergulhar no mar em alta velocidade e emergir rapidamente ganhando altitude. Parou, então, como se tivesse algum desarranjo mecânico, e explodiu no ar lançando uma verdadeira chuva de estilhaços brilhantes. Alguns fragmentos caíram nas águas próximas à praia e puderam ser recolhidos pelas pessoas presentes.
crédito: Beatriz Barreto Tane
A pequena São Thomé das Letras na região da Mantiqueira, é provavelmente a cidade mais inclinada ao misticismo no país
Três pedaços do tamanho aproximado de uma moeda, ásperos e leves como papel, foram entregues ao médico e ufólogo Olavo Fontes, da Comissão Brasileira de Pesquisa Confidencial dos Objetos Aéreos Não Identificados (Cbpcoani), que os encaminhou à Seção de Espectrografia do Laboratório Nacional de Produção Mineral, no Rio de Janeiro. Tanto essa como as análises subsequentes da Aerial Phenomena Research Organization (APRO), dos Estados Unidos, comprovaram tratar-se de magnésio de absoluta pureza, com densidade de 1,866, enquanto a densidade do magnésio terrestre é de 1,741.
Confirmando a tendência ancestral do homem de privilegiar determinados lugares para manter contatos com o sobrenatural, os místicos e esotéricos do século XX elegeram o sul de Minas Gerais — especialmente as cidades adjacentes à Serra da Mantiqueira —, como o núcleo cósmico do planeta, ou seja, o que abriria as portas e propiciaria o advento da Nova Era ou da chamada Era de Aquário. Tida como integrante de uma “geografia sagrada”, ela se ramificaria com a Serra do Roncador e a Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso, Alto Paraíso em Goiás, Brasília no Distrito Federal e Machu Picchu nos Andes peruanos, tornando-se assim a área de maior concentração esotérica do Brasil no período que precedeu a chegada do ano 2000. Isso confirma a tendência ancestral do homem de procurar desesperadamente a salvação, conforme as situações de crise se agravavam ou a virada do século e do milênio se aproximava. Verificou-se ali, em um curto espaço de tempo, um intenso afluxo e a consequente proliferação de pregadores, profetas, videntes, gurus, líderes messiânicos, seitas religiosas e comunidades alternativas.

Paranormais e excentricidades

No Vale do Matutu — que significa “cabeceira do vale” no idioma dos índios guaianás — ficava o santuário ambiental do Santo Daime, comunidade dos adeptos do chá alucinógeno oaska, preparado e ingerido em meio a cânticos e rituais. Em Conceição do Rio Verde, a vidente Neila Alckmim recebia empresários e políticos em sessões, nas quais previsões raras vezes se mostraram acertadas. No seu sítio em Pouso Alegre, o paranormal e “guru das estrelas” Thomas Green Morton — cujas farsas e truques foram várias vezes desmontadas, embora não descarte que talvez possua algum poder, porém limitado e fora de seu controle — impressionava ricos e famosos do mundo artístico e do colunismo social.
Em Carmo da Cachoeira, o guru Trigueirinho dirigia o seu Centro de Desenvolvimento Espiritual na Fazenda Figueira, onde seguidores de várias regiões do país passavam os dias meditando, plantando e trabalhando voluntariamente. Sintomaticamente, esses três indivíduos garantiram já ter mantido ou estar em contato permanente com extra ou intraterrestres. São Thomé das Letras, a 1.290 m de altitude, converteu-se na Meca dos ufólogos, místicos, hippies e aventureiros, que passaram a acorrer em massa para a cidade em busca de energias cósmicas e telúricas, experiências extrassensoriais e contatos com discos voadores. Enquanto isso, as mineradoras, explorando a mão de obra de famílias pobres e de crianças, devastavam o ambiente com montanhas de pedras quebradas por todos os lados. Os turistas da chamada Nova Era, no entanto, longe de trazer qualquer iluminação espiritual, exceto um questionável benefício econômico, ajudaram a descaracterizar e a desestruturar a sociedade local, formada por descendentes dos antigos escravos que trabalharam nas minas de ouro e de pedras preciosas.

Sabedoria das coisas divinas

Eles foram os construtores das poucas edificações originais que restaram na cidade, inteiramente de pedras empilhadas sem argamassa. O ufólogo e pesquisador de história e arqueologia Oriental Luiz Noronha, o Tatá, acredita que os discos voadores, alguns dos quais chegou a filmar, frequentavam São Thomé das Letras para extrair energia do quartzito, mineral abundante no subsolo da região. Já o geólogo Fernando Junqueira discorda, pois, segundo ele, “o quartzito é uma formação muito impura do quartzo, não funcionando, portanto, como capacitador ou condensador de energia”. De qualquer maneira, muitos deixam São Thomé, mesmo sem nada terem visto, convencidos de que estavam no “umbigo do mundo” e que uma passagem secreta na Gruta do Carimbado ligaria a cidade a Machu Picchu, cerca de 3.300 km de distância.
Em torno de nascentes da água mineral, cidades como Araxá, Poços de Caldas, Caxambu e São Lourenço nasceram e prosperaram graças, em grande parte, às propriedades medicinais diversas que essas águas magnesianas, ferrosas, radioativas, sulfurosas, gasosas ou simplesmente quentes, apresentam. São Lourenço, a mais exuberante das estâncias hidrominerais, com suas nove fontes que se esparramam por jardins impecáveis de densa mata verde, foi escolhida em 1924, pelo baiano Henrique José de Souza, para sediar a Sociedade Teosófica Brasileira (STB) — a atual Sociedade Brasileira de Eubiose —, que se dedica ao estudo da Teosofia e quer dizer a sabedoria das coisas divinas, como o próprio nome indica — do grego theos, Deus, e sophia, sabedoria.
crédito: Natural Resources
Alguns estudiosos atribuem a alta incidência ufológica na Mantiqueira à existência de minério de magnésio na área, já sendo explorado
A filosofia foi amplamente difundida no ocidente por Helena Petrovna Blavatsky, fundadora da Golden Dawn e autora da obra A Doutrina Secreta, que abrange, entre outros assuntos, ocultismo, espiritismo, orientalismo e religião. Um dos motivos que levaram Henrique José de Souza a escolher a região, segundo revelou o teúrgico José Augusto da Fonseca, em seu livro Teurgia [Obra particular do autor, 1992], se deu três anos antes, em 1921: “O último Buda vivo da Mongólia, o bem-aventurado Ashvagosha, apontando para o ocidente, disse aos seus discípulos que naquele momento passava para seu sucessor seu pesado madeiro, na região sagrada da Serra da Mantiqueira”.
São Lourenço é considerada por teósofos ou eubióticos como a capital espiritual do mundo. Eles creem que deverá surgir ali o avatar Maytreia, que sintetizará os sete avatares precedentes, dos quais Jeshua Bem Pandira — o Jesus bíblico — foi o sétimo. Seria inaugurada, assim, a Idade do Ouro e o Ciclo de Aquário, estabelecendo-se na face da Terra uma nova civilização, livre das misérias materiais e morais. Antecipando-se a isso, erigiu-se em 1949 uma réplica do templo de Paternon, de Atenas, em homenagem a Maytreia, à paz universal e a todas as religiões do mundo. Também se acredita que São Lourenço estaria situada diretamente sobre a cidade de Caijah, o centro das outras seis cidades subterrâneas de Duat, cujas embocaduras ficariam em São Thomé das Letras, Aiuruoca, Pouso Alto, Maria da Fé, Conceição do Rio Verde e Carmo de Minas. A Eubiose tem sede em todos esses municípios.

Remanescentes atlantes?

Essa “outra” humanidade, que supostamente viveria nas entranhas da Terra, remanescente do continente perdido de Atlântida, teria atingido elevadíssimo grau de organização econômica, social, cultural, científica, tecnológica e espiritual. Os discos voadores nada mais seriam do que os vimanas dos atlantes, grandes e poderosas aeronaves fabricadas com material desconhecido por nós e que se movimentariam com energia retirada da própria atmosfera. Relatam que, em fevereiro de 1955, um deles teria pousado na colina fronteiriça à Vila Helena e os seus três tripulantes, com significativos acenos, teriam saudado o dirigente da STB, Henrique José de Souza, e as pessoas que se encontravam na varanda da casa, fato esse assistido por outros moradores de São Lourenço. Ele contou que, aliás, em outra ocasião, teve a oportunidade de visitar o mundo de Agartha.
A ideia da existência de um gigantesco mundo subterrâneo com inúmeras cidades — em que viveriam os milhões de seres governados por Melchizedek, chamado o Rei do Mundo —, é natural para uns e um absurdo intolerável para a maioria das pessoas, que argumentam que, se esse tal mundo interior existisse, com suas inúmeras embocaduras ou entradas na superfície, há muito teria sido esquadrinhado e devassado pelos homens. A geologia, por sua vez, pugna pela total impossibilidade desse reino nas profundezas — sugerida no final do século XIV pelo pai da ficção científica, Julio Verne, em sua obra Viagem ao Centro da Terra — baseada no fato de que a temperatura aumenta constantemente à medida que se penetra na crosta terrestre, em consequência do núcleo central do planeta ser constituído de matéria em estado de alta fusão, o que é prontamente rebatido por aqueles que justificam o aumento de temperatura, os vulcões e as fontes de água quente, como originários de bolsões subterrâneos.
Em certas regiões da Serra da Mantiqueira se encontra tamanho distanciamento da civilização que, segundo iniciados, há uma comunhão com a natureza e o divino
Em seu livro Dos Mundos Subterrâneos Para os Céus: Discos Voadores [Mercurial, 1957], O. C. Huguenin tentou explicar o segredo que cerca a existência de civilizações intraterrestres de uma forma absolutamente fantástica: “Possuindo seus habitantes o conhecimento pleno e o absoluto controle das forças sutis da natureza, nada mais fácil para eles do que disfarçar as entradas dos mesmos na superfície terrestre, seja com o recurso do que os orientais chamam maya budista, criando paisagens ilusórias, seja fechando-as ou abrindo-as ao seu bel prazer. Por outro lado, o número limitado de conhecedores desse mistério, todos pertencentes à elevada categoria das fraternidades ocultas que atravessam os séculos, mantiveram o mais rigoroso sigilo sobre o fato”. 

Intangível, delirante e absurda

Através de cálculos cabalísticos, os iniciados eubióticos creem que os discos voadores procedem do interior da Terra, e apontam para a existência de aberturas justamente nas áreas a noroeste da Serra da Mantiqueira, onde surgirão as cidades sagradas da Nova Canaã, a Terra Prometida. Já para os não iniciados e céticos, a simples menção desse mundo interior povoado por remanescentes das antigas civilizações da Atlântida, depositários de conhecimentos ancestrais que só em tempos mais recentes os homens da superfície começaram a dominar, soa intangível, delirante e absurda. Na verdade, os que ingressam nessa sociedade o fazem atraídos pela promessa de integrar uma elite de iniciados e desenvolver poderes latentes que lhes conferiria o direito no futuro, agora bem próximo, de participar de uma sociedade perfeita, sem males, utópica e ideal, nada mais do que uma versão combinada do Paraíso, Jerusalém, Eldorado, Shangri-lá e outras.
Melchizedek seria a personificação do messias, o salvador que virá das entranhas da Terra — concebida como o verdadeiro céu — para trazer a vitória do bem sobre o mal e corrigir as imperfeições do mundo. Ele seria o redentor que extinguirá a ordem presente das coisas, instituindo uma nova ordem de paz, amor, harmonia, justiça, felicidade, progresso universal e reconciliará o homem com a verdade, a razão e as leis divinas. Sua vinda coincidiria com o fim dos tempos ou o juízo final e colocará fim ao ciclo de peixes, permitindo o advento da era de aquário. “Esse novo ciclo esbarra no problema da divisão matemática das constelações, como são vistas no céu”, de acordo com Lobo Câmara, em seu livro A Farsa da Nova Era: Nem Apocalipse, Nem Era de Aquário [Edição particular do Autor, 1998]. Câmara afirma que a astrologia sideral divide o zodíaco em 12 partes iguais de 30°, a partir do ponto vernal, sem uma referência astronômica precisa, e estabelece o começo da Era de Aquário para os primeiros anos do século XXI.
“Entretanto, se levarmos em consideração a forma real das constelações e suas extensões, como são conhecidas desde os tempos antigos, chegaremos a uma conclusão bem diferente”, afirma. Para Lobo Câmara, a constelação de peixes desde a antiguidade é representada por dois peixes amarrados e nadando em direções opostas. A estrela mais brilhante dessa constelação, a Alpha Piscium, ou Al-Risha, é o primeiro ponto dessa constelação, sendo que a última estrela é a Beta Piscium. “Tomando-se como referência as posições reais das constelações, a Era de Aquário começará depois da passagem do ponto vernal por essa estrela, o que ocorrerá em 2813 d.C. Tanto do ponto de vista astrológico como astronômico podemos considerar essa data como a mais provável. O resto é balela”.
A sede da entidade religiosa Eubiose, no município de São Lourenço, circuito das águas mineiro, ainda na região da Mantiqueira. No templo se busca estudar a Teosofia
Apesar disso, se por um lado o reino messiânico é necessariamente um reino futuro, o qual se esperava com intensa expectativa, por outro, não permite a crença passiva e inerte de resignação e conformismo, exigindo que diante das imperfeições e injustiças o homem se empenhe para saná-las e corrigi-las. Enquanto isso, se congrega com o maior número possível de fiéis para visar os movimentos messiânicos, isso é, uma tentativa ativa de criar — ou apressar — realmente o milênio.

Outras dimensões?

Mas, afinal, seriam os UFOs atraídos pelas águas magnesianas, sulfurosas e radioativas da Serra da Mantiqueira? Estariam os extraterrestres minerando o subsolo atrás de magnésio ou extraindo energia do quartzito? Teriam ali estabelecido bases para melhor se ocultarem em florestas e montanhas? Haveria realmente os tais portais para outras dimensões? Ou teriam razão os teósofos e eubióticos ao apontarem a existência de aberturas por onde trafegam discos voadores de civilizações subterrâneas? Nenhuma dessas perguntas tem resposta inteiramente satisfatória e só geram mais perguntas sem respostas. E, como se não importasse o modo como as pessoas a vejam, a serra permanece como um rico manancial de tesouros ecológicos, históricos e ufológicos a nos desafiar e nos exigir mais estudos.
“A existência de um gigantesco mundo subterrâneo na Serra da Mantiqueira, inclusive com enormes cidades intraterrenas, é ideia natural para uns e absurdo intolerável para a maioria das pessoas”
A obra Bestas, Homens e Deuses [Hemus Editora, 1989], Ferdinand Ossendowski narra as experiências que vivenciou entre os lamas do Oriente e os secretíssimos ensinamentos recebidos. O lama Gelong, favorito do príncipe Choulton Beyli, e o próprio príncipe, fizeram-lhe a descrição do reino subterrâneo: “Todos os homens dessa região estão protegidos contra o mal e o crime não existe no interior de suas fronteiras. A ciência evoluciona tranquilamente, livre do espírito de destruição. O povo subterrâneo conseguiu atingir o mais alto saber e é atualmente um grande reino, com milhões de súditos governados pelo Rei do Mundo. Esse conhece todas as forças da natureza, lê em todas as almas humanas e no grande livro do destino. Invisível, ele reina sobre os oitocentos milhões de homens que estão prontos para executar suas ordens. É o reino de Agartha que abrange todas as passagens subterrâneas do mundo inteiro”. Os lamas dizem que todas as cavernas subterrâneas da América são habitadas por esse povo.

Na Serra da Mantiqueira, a valorização do esoterismo

São Thomé das Letras está localizada no pico de uma montanha de pedra incrustada na Serra da Mantiqueira, a 1.444 m do nível do mar. O céu da região é muito azul e a cidade é envolta por um vale intensamente verde, onde se encontram grutas, cachoeiras, morros e cavernas sem fim. Quando se pensa em misticismo no Brasil, não há quem não se lembre do município, onde correntes esotéricas de todos os tipos se fundem com histórias de avistamentos ufológicos, de atividades paranormais e com muitas belezas naturais. Com ladeiras íngremes e escorregadias, a cidade tem uma atmosfera acolhedora e praticamente uma loja de produtos místicos a cada esquina, oferecendo desde artesanatos de características supostamente energéticas a pedras de todos os tipos e cachaças — produto pelo qual Minas Gerais é célebre.
A 335 km de Belo Horizonte, São Thomé das Letras reúne um dos maiores repertórios de lendas relacionadas a fenômenos sobrenaturais no país. O próprio nome da cidade tem origem incomum, derivando da suposta aparição de um santo. Em todo o município, além de paredões de pedra, riachos e cachoeiras, há também grande abundância de inscrições rupestres, que podem ser encontradas em grutas e em locais a céu aberto. Boa parte delas é atribuída aos índios cataguases, que teriam habitado a região há séculos. As construções que caracterizam a cidade, feitas com rochas extraídas do próprio local, cuidadosamente cortadas e empilhadas sem qualquer tipo de argamassa, oferecem segurança e firmeza, como as construções do século XVIII. 

Histórias e preceitos iniciáticos

Essa arquitetura informal ajuda a criar a atmosfera mística da cidade. Com base na economia local, que é 60% originária da extração de pedras de quartzito, usadas no revestimento de casas, passeios, piscinas, e hoje também exportadas para vários países da Europa, São Thomé das Letras ficou conhecida como “Cidade de Pedra”. Suas lendas, histórias e preceitos iniciáticos dão a ela um clima esotérico sem igual no país. Mas, apesar de ser conhecida como o município mais místico do Brasil, a vida dos seus moradores é bem simples, típica do interior de Minas Gerais.
Lá são abundantes os avistamentos ufológicos, tanto diurnos quanto noturnos — principalmente esses. No primeiro caso estão observações até de naves estruturadas, metálicas e reluzentes, vistas por moradores de todos os pontos do vasto município, como em outros da Serra da Mantiqueira. No segundo, estão em geral as sondas ufológicas, muito corriqueiras na região — como em todo sul de Minas Gerais. Esses artefatos são normalmente esféricos, podendo se encolher ou aumentar seu tamanho e brilho. Chegam a se aproximar e até penetram em residências, mas evitam o contato humano.

Uma viagem ao passado

Atualmente, São Thomé das Letras conta com uma infraestrutura hoteleira capaz de receber bem o mais exigente turista, seja para aventura ou exploração — incluindo investigações ufológicas. Restaurantes e pousadas abundam na cidade, que conta com asfalto até sua entrada e um excelente centro de eventos capaz de abrigar cerca de 20 mil pessoas. Conhecer o município, com a beleza exótica de suas pedras, a riqueza de suas cachoeiras, a exuberância de seus antigos casarões e um repertório sem paralelo de mistérios, aparições e manifestações inexplicadas, é fazer uma viagem ao passado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...