Pesquisar este blog

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Avistamento de ovni em teerã no irã 1976



Apesar da maioria dos vídeos de OVNIs (99%) colocados na Internet ser forjada por pessoas querendo seus 15 minutos de fama, e 95% dos relatos de avistamentos serem casos de má interpretação das pessoas que viram objetos mundanos, como aviões, balões, etc., com base nos casos inexplicáveis até mesmo pela ciência e pelas próprias agências espaciais, não há como contestar que estamos sendo visitados por objetos com tecnologia muito além da nossa, embora de forma muito mais infrequente ultimamente. 


Sim, ao contrário do que a Internet possa fazer parecer, os avistamentos fidedignos de OVNIs hoje são em número muito menor do que há, digamos, 20 anos.

Sempre me perguntei o porquê disso, mas a resposta para mim é muito clara: Se você possuísse a tecnologia para visitar e estudar um mundo retrógrado distante, com a missão de estudá-lo e somente interferir com a cultura lá instaurada quando estritamente necessário, e com o passar do tempo os habitantes desse mundo tivessem desenvolvido armamentos que poderiam te vaporizar no céu com mais facilidade do que anteriormente, você não tomaria as devidas precauções para se proteger, tais como um sistema de camuflagem tão desenvolvido que o faria parecer invisível à olho nu, e até mesmo aos radares? Você não diminuiria sua exposição aos perigos agora emergentes?


Isso seria o que eu faria, afinal flechas, lanças, ou mesmo balas de chumbo são fáceis de repelir. Mas quando se trata de mísseis com sensores de todos os tipos, hiper rápidos e altamente destrutivos, ou ainda raios laser cortantes, que o alcançarão em uma fração de segundo, a história se torna um pouco mais complicada e outras medidas devem ser tomadas. Agora eu não poderei mais me exibir como fazia anteriormente.

Mas este foi só um pensamento que passou pela minha cabeça com explicação para este decréscimo dos avistamentos reais.

Pode ser que eu esteja redondamente enganado sobre o porquê das coisas. Contudo, o que não se pode negar é que aqueles que realmente pesquisam poderão encontrar milhares de registros sobre esses misteriosos objetos e também de encontros com sua tripulação, documentos estes não só de civis, mas também de militares e governamentais, pelo mundo todo.

Em um artigo publicado aqui no OVNI Hoje , foi falado a respeito de uma reportagem publicada na revista Combat Aircraft Monthly sobre encontros da Força Aérea Iraniana com OVNIs nos céus daquele país. Lendo pela Internet, encontrei um caso detalhado que ocorreu naquele país em 1976, o qual pode entrar no rol dos relatos verídicos.


Veja:


Um caso de uma invasão de espaço aéreo por um OVNI ocorreu em Teerã, no Irã, em setembro de 1976. No dia 19 daquele mês, a Força Aérea Iraniana começou a receber chamados de cidadãos reportando um objeto anormal, não identificado, nos céus daquele país.

O oficial da Força Aérea de plantão, telefonou para o Vice Comandante de Operações, o informando da situação e pedindo por orientações de como lidar com a situação. Ele sabia que não haviam aeronaves voando naquele momento que poderiam justificar os estranhos relatos.

Primeiramente, Yousefit pensou que os cidadãos agitados estavam simplesmente vendo estrelas, ou o planeta Vênus, porém após mais relatos chegarem, ele decidiu conferir por si mesmo.

Quando conferiu o objeto, ele viu imediatamente que não se tratava de uma estrela. O objeto era muito maior e muito mais brilhante. Então, ele tomou a decisão de enviar um caça F-4 da Base Aérea de Shahrokhi para dar uma olhada mais de perto no objeto. A aeronave decolou da pista à aproximadamente 1h30min naquela madrugada.

O avião foi em direção ao enorme objeto brilhante, que estava a uns 100 km deles. Aproximadamente na metade do caminho, o avião começou a ter problemas de comunicação.

Os instrumentos estavam tão anormais, que o piloto teve que regressar para Shahrokhi. Quando o F-4 mudou sua trajetória, os instrumentos e a comunicação foram repentinamente restaurados.

Outro F-4 foi despachado, numa tentativa de identificar o OVNI. Quando o segundo jato se aproximou do objeto, foi obtido contato por radar. Os membros da tripulação declararam que o tamanho do objeto no radar era similar ao de um jato 707. O tamanho real do objeto foi impossível de ser determinado visualmente, devido ao brilho do mesmo.

O jato se aproximou do OVNI.

Por um instante, o F-4 diminuiu a distância entre ele e o OVNI, mas mesmo voando acima de Mach 1, de repente o OVNI se distanciou do F-4. Esta incrível velocidade foi confirmada pelo radar do jato e também visualmente.

O piloto do F-4 não conseguiu alcançar o OVNI, mas o seguiu por algum tempo, viajando a altíssima velocidade pelo céu.

A tripulação do jato disse mais tarde que o OVNI tinha o que pareciam luzes estroboscópicas colocadas em alinhamento retangular. As luzes alternavam entre vermelho, azul, verde e laranja.

Eles também ficaram espantados em ver outro pequeno objeto sair do OVNI maior. Tanto o jato, quando os OVNIs, agora estavam voando ao sul de Teerã.

O objeto menor voou em linha reta diretamente para o F-4, se movendo à uma velocidade incrível.

Temendo por sua vida e pela do co-piloto, o piloto apontou um míssil AIM-9 ao objeto que se aproximava, mas quando o fez, o painel de controle do armamento simplesmente desligou, e ele perdeu toda a comunicação. A única ação que pode ser tomada foi a de tentar evitar a colisão com o OVNI, ou armamento, que se aproximava.

O objeto seguiu brevemente o avião em seu mergulho, mas então retornou para o OVNI maior. Todas as funções do jato foram novamente retomadas à medida que o OVNI deixou o avião para trás.

Nunca houve uma explicação plausível sobre o caso.

Os membros da tripulação declararam que o OVNI se movia à velocidades incríveis e que tinha a capacidade de desabilitar os instrumentos dos aviões.

E este é somente um caso, embora pouco conhecido, dentre os inúmeros casos documentados de encontros de OVNIs com aviões das forças aéreas de países pelo mundo todo.

Muitos céticos contestam que os OVNIs sejam somente fruto de imaginações férteis, mas se, antes de se gabarem como donos exclusivos da verdade, deixassem sua preguiça de lado e realmente investigassem os documentos disponíveis sobre assunto, logo, se forem honestos consigo mesmos, mudariam de opinião.

Querem um caso para dar início às suas pesquisas? Tentem um caso clássico que ocorreu aqui mesmo no Brasil: A Operação Prato.

O fato é que estamos sendo, e por milhares de anos temos sido visitados por algo que ainda não foi totalmente explicado. E isto, até mesmo Alexandre O Grande constatou.


Fonte texto : ovnihoje.com





quarta-feira, 2 de outubro de 2013

o caso Voronezh



"Cientistas confirmam que um objeto voador não identificado aterrissou recentemente na Rússia, na cidade de Voronezh. Eles já localizaram o local do pouso e encontraram os rastros de alienígenas que fizeram um pequeno passeio pelo parque". Ag. Tass.

A Tass ainda explicou que o evento iniciou-se com a visão de uma grande esfera luminosa ou disco que havia sido visto voando sobre o parque, por muitos residentes. Eles viram o UFO aterrissar e três criaturas, similares aos humanos, emergirem acompanhados por um pequeno robô.
"Os alienígenas tinham três ou quatro metros de altura e cabeças pequenas. Andavam perto da esfera ou disco e depois nela entraram e desapareceram".

Cientistas foram mencionados pela reportagem dentre eles: Genrikh Silanov, diretor do Laboratório Geofísico de Voronezh, uma cidade localizada ao sudeste de Moscou. Dizia-se mais: o caminho seguido pelos alienígenas foi determinado "através de biolocação". "Quem viu os alienígenas ficou traumatizado de medo por diversos dias". O jornal "The New York Times" cometeu um erro, traduzindo o termo BIOLOCAÇÃO por BILOCAÇÃO, o que colocou a notícia sem sentido algum. Eles ignoravam que a literatura psicotrônica soviética designava BIOLOCAÇÃO como sinônimo de "radiestesia".

Os russos estudavam os fenômenos ufológicos com as técnicas e no nível da parapsicologia (ou psicobiofísica - como intitularam).
A mídia americana fez tanta festa com o caso que o "chairman" do "Comitê dos Céticos", Paul Kurtz, glosou a situação e o caso descambou para o ridículo. Como as descrições dos alienígenas não combinavam com as patenteadas pela ufologia americana, sizudamente ela comentou: -"Os ocupantes altos descritos em Voronezh não "batem" com os padrões do Centro (Center for Ufo Studies - Chicago), e o caso, logicamente, deve ser rejeitado".
Vallee comenta: -"Tal posição ilustra o dilema onde a ufologia americana se encontra"!
Na Rússia, então União Soviética, as coisas não iam bem para as testemunhas que estavam sendo bombardeadas com hipnose e outros expedientes, quanto à hipnose, muitos investigadores selecionam os casos que coincidam com as suas expectativas.
-"Isto é, verdadeiramente, caçoar do método científico e só pode levar a resultados absurdos". J. Vallee.
Nesta época, não só Voronezh, mas uma grande parte da Europa Oriental conheceu uma onda de avistamentos. A onda soviética iniciou-se em 1989. Em 24 de Abril foi avistado um Ufo com o tamanho de três vezes uma aeronave "nossa". O objeto sobrevoou Cherepovetsk, afirmou a testemunha J. Veselova, às 22:55 horas. Vologda, na Rússia Central, aos 6 de Junho de 1989, uma escola infantil perto de Konantsevo recebeu uma visita, um ponto luminoso no céu. O ponto cresceu e transformou-se em uma grande e brilhante esfera. As crianças observaram-na movendo-se e dirigindo-se para um rio que corria próximo do local onde se encontravam. A esfera pareceu se partir e algo semelhante a uma pessoa sem cabeça e com um traje negro surgiu e as suas mãos ultrapassaram os seus joelhos. De repente, tudo desapareceu.
Em 11 de Junho uma mulher, O. Lubina viu uma bola encandescente sobre Vologda, às 21:20 horas, visível durante dezessete minutos. Vários outros "casos" se sucederam. No dia 11 de Outubro de 989, a televisão russa apresentou o retrato de uma das criaturas de Voronezh. Possuía dois olhos, um nariz e uma boca larga, dentro de um objeto oval, brilhante e com duas pernas. Quando Vallee viu o mesmo retrato na televisão francesa, ele lhe lembrou o ovo prateado visto em Socorro, Novo México, em 1914. Como o de Socorro, o objeto exibia uma insígnia em um dos seus lados: a insígnia de UMMO. Vallee não teve dúvidas, voou para Moscou.

Martine Castello, repórter científica do Le Figaro (o melhor jornal francês0, acompanhava J. Vallee na sua viagem à Rússia. Informações sobre o caso Voronezh não faltaram para os dois. Era a primeira vez que um cientista ocidental e ufólogo visitava a União Soviética, após a Glasnost de Gorbachev. Não existiam dúvidas a respeito do caso Voronezh bem como da onda avassaladora de UFOS sobrevoando a antiga Rússia.
Aconteceu então, a "Coletiva de Voronezh". Vallee tomou conhecimento de que não havia nenhum centro ufológico na cidade e de que os avistamentos haviam sido gerais, em todos os locais, inclusive, perto da usina nuclear. Foi informado que Alex Mosolov, engenheiro aeronáutico presente na coletiva, morava perto da casa de uma das crianças testemunha do evento. A mãe desta criança o cientificara de todo o episódio. A onda de UFOS se iniciara no mês de agosto com várias aterrissagens entre setembro e outubro. Trinta e três pessoas viram as aterrissagens, entre crianças e adultos. Mas quanto aos avistamentos, estes foram visionados por centenas de pessoas. A metodologia da pesquisa feita incluía a investigação em separado, das testemunhas, Mosolov esclareceu com prontidão. Quanto ao evento principal, o caso onde se viu a insígnia no aparelho, as crianças o testemunharam. Foi pedido a elas que desenhassem o que haviam visto.
-"O que desenharam? Qual foi a exatidão e igualdade entre estes desenhos"? Perguntou Vallee.
Mostraram-lhe a pilha de desenhos. Todos haviam desenhado a mesma coisa e as figuras dos humanóides eram consistentes com os depoimentos.
-"Algumas das reportagens mencionaram três olhos". Observou Vallee. "Verdadeiramente, a maioria só especificou dois olhos, com alguma coisa entre eles, na testa, alguns deles entenderam que poderia ser mais um olho.".
-"E sobre o símbolo"? Inquiriu o ufólogo francês.
-"Este símbolo é conhecido pelos pesquisadores da área desde 1984." Responderam-lhe.
-"Então UMMO tem a sua história circulando na Rússia há algum tempo." Exclamou Vallee.
Ouve troca de olhares. Boris, Charinov, um pesquisador, levantou a mão; -"Mencionei UMMO, há muito tempo, em uma das minhas publicações que circulou entre os pesquisadores de Voronezh. É possível que algumas das testemunhas tenham, simplesmente, visto este símbolo e podem tê-lo desenhado de um lado da nave, num esforço ingênuo de oferecer maior credibilidade à sua observação.".
Seus companheiros não acreditaram nesta explicação. Havia um videotape do caso os jovens estudantes muito articulados, fazendo os seus desenhos sob a instrução severa dos investigadores: -"Pareceu-nos que os relatos foram tão independentes quanto permitiam as condições", observou Vallee.
O símbolo de Ummo aparecia, vitorioso, em Voronezh e um dos desenhos ainda o exibia no cinto de dois alienígenas. Ficou patente a "onda de avistamentos" e a mãe de um dos jovens viu uma nave, com as luzes piscando em vermelho, amarelo e verde, sobre o telhado de uma casa, quando se dirigia a uma celebração familiar.

Segundo a imprensa ocidental, os UFOS deixaram evidências que foram encontradas através da Biolocação: a radioatividade era uma delas, 4 microorganismos no solo.
-"Computamos o peso da nave pelos traços que deixou", disse Yuri Lozotsev, o "expert" em materiais, do grupo. "Encontramos 11.5 tons. Isto é consistente com outras figuras que você reportou em um dos seus livros, concernente à Força Aérea Francesa e as medidas tiradas por ela em Quarouble".
Vallee ficou impressionado com o conhecimento a respeito da sua obra em local onde poucos livros da literatura sobre UFOS era permitida. Mesmo nos Estados Unidos, poucos cientistas mencionavam Quarouble, principalmente, citando os parâmetros físicos deste caso.
Após outros detalhes técnicos, os russos explicaram a Biolocação: é a detecção do campo bioenergético e a sua aplicação para a análise do terreno, incluindo a geologia.
-"E os radares da área"? Perguntou Vallee.
-"Não detectaram nada", respondeu Mosolov. "Talvez, estes objetos são invisíveis para o radar sob certas condições".
-"Agradecemos aos presentes pela gentileza, haviam viajado dez horas para nos encontrar". Vallee relata o encerramento da reunião.
"Na noite seguinte, quando jantávamos com um pequeno grupo de pesquisadores, chamaram-me ao telefone," conta Vallee. O prof. Azhazha havia atendido e disse a Vallee que respondesse à chamada, eles anunciavam que outro avistamento havia sido reportado.Um objeto sobrevoara a usina nuclear e lançara um raio que queimou o asfalto.
"Reassumo a hipótese de que alguém pode ter feito voar balões ovais sobre a Rússia com o símbolo de Ummo, proeminentemente pintado de um lado. Se o culto espanhol de Ummo na Espanha é o resultado de uma manipulação psicológica, qualquer um pode jogar o jogo. Mas esta hipótese falha em explicar todos os avistamentos de Voronezh. Voltamos destes encontros com uma apreciação da complexidade de todo o problema".

Vallee e Martin Castello se encontraram com os membros da Academia de Ciências Soviéticas, com o cosmonauta Valentin Zudov, diretor das equipes de vôo espaciais e debateram juntos várias teorias. Duas dúzias de especialistas ajudaram debatendo com eles cada aspecto da pesquisa ufológica na União Soviética. Ficou patente a onda mais avassaladora de UFOS no país, mais massiva ainda do que a francesa em 1954.

"Os gigantes no parque de Voronezh deixaram uma clara mensagem: o mistério ufológico estava mais vívido e intrigante do que nunca". - J. Vallee.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...