Pesquisar este blog

Mostrando postagens com marcador Brasil. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Brasil. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Pilotos e Ovnis

Recentemente, recebemos um e-mail de Dyego L. S., um tripulante de vôo de uma grande empresa aérea brasileira, compartilhando sua experiência de um avistamento de OVNI que teve junto com seus colegas de bordo, nas proximidades da cidade de Belo Horizonte, MG – Brasil, em 3 de agosto passado.

No e-mail, Dyego nos direciona ao seu blog, onde ele postou os detalhes de seu avistamento e também nos dá permissão para publicá-lo aqui.

Leia abaixo o relato de Dyego, na íntegra:

"Desta feita, como prometido no post anterior, finalmente posso compartilhar do fato ocorrido no sábado dia 03 de Agosto de 2013 , em virada para o dia 04 domingo . Por volta das 23:30 daquela noite acabávamos de sobrevoar a cidade brasileira de Belo Horizonte, capital das Minas Gerais; e como num passe de mágica, após alguns minutos fomos surpreendidos por uma nave / objeto gigantesco que aparecia bem mesmo em cima de nós, era imensamente grande e estava por cima cerca de 100 metros ou até menos. Seu tamanho podia ser de 3 a 4 vezes o tamanho da nossa aeronave , um Airbus A320. Saímos de São Paulo rumo à cidade de Teresina (primeira vez que eu visitaria aquela localidade) e momentos antes, por grande curiosidade, perguntei aos pilotos se antes já tinham visto objetos não identificados no céu …de dar arrepios , e acabou acontecendo mesmo logo a seguir. Seria grande coincidência ou pressentimento? Desta maneira a grande nave nos ultrapassou por cima muito lentamente, estávamos a 39 mil pés de altura e à uma velocidade aproximada de 850km por hora. Com certeza ela deve ter aplicado 100 ou 150 km a mais do que nós para tal feito.

Logo após ter nos ultrapassado, aplicou depois uma velocidade maior para que pudesse se afastar mais um bocado rapidamente . Depois manteve a sua velocidade por algum período, como se estivesse parada no ar .

Podíamos vê-la bem mesmo à nossa frente, como se estivesse a dizer OLÁ ! Tudo bem ?

Jamais na vida vi algo semelhante e todos da tripulação ficaram visivelmente num estado emocional de êxtase, beirando a desconfiança e a incredulidade, passando pela felicidade de poder ver algo tão especial e que poucos tem a oportunidade de compartilhar. O mais curioso é que a gigantesca nave sequer aparecia no radar TCAS do nosso avião e nem em nenhum dos aviões que voavam na mesma localidade, tampouco nos radares do ACC Brasília, órgão de controle de voo responsável por aquela jurisdição aérea. Como profissionais fomos obrigados a reportar a situação para que a defesa do País pudesse tomar as providencias cabíveis quanto a averiguação daquele fato, selecionando uma frequência de comunicação diferente e descrevendo toda a posição geográfica e as movimentações da maquina estranha. O órgão de controle acionou a força aérea para que a mesma enviasse um caça da base aérea de Anápolis ou Santa Cruz, a fim de intercepta-la e dimensionar as suas intenções. Assim o fizeram, mas como se já soubessem de tudo o que ia acontecer, a gigantesca nave se inclinou para a esquerda permaneceu alguns minutos em total permanência de sua altitude, velocidade e sem curvas.

Logo a seguir, depois de permanecer parada (na mesma velocidade que nós), aí sim adotou uma curva e saiu em retirada numa velocidade fantástica que humanamente era impossível de mensurar. Era mais rápida do que qualquer coisa já vista na terra e das tecnologias das quais conhecemos. E se afastou, indo para muito longe. Fato curioso é que nesse deslocamento, aconteceu algo muito bonito naquele céu claro e sem nenhuma nuvem… Uma chuva de estrelas cadentes!!!! Até brincamos entre nós para fazermos pedidos que com certeza seriam realizados.

Sem podermos imaginar que fenômeno era aquele e quais os motivos, razões ou circunstâncias, nos restou apenas observar e admirar embasbacados tudo o que se passava. Ficava cada vez mais difícil darmos orientação de localização para o Centro de Controle aéreo porque tudo era muito surreal e fantasioso para descrentes. Mas foi REAL e visto por várias pessoas . Lá ao longe, ainda podíamos vê-lo, só que à distancia e o nosso deslocamento contrario a rota que o mesmo fez não trazia mais a perfeição de detalhes. Vimos luzes , luzes que sim essas eram muitíssimo fortes mesmo a quilômetros. Uma vinha do solo, sim, da terra, em algum lugar do interior de Minas Gerai0; outra no ar e outra que vinha da própria nave, formando um reta de 45 graus que piscava simultaneamente luzes umas com as outras …

Depois de alguns breves minutos, perdemos o contato visual e não sabemos até hoje o que foi aquilo e quais eram as suas intenções. Eu era um sujeito muito desconfiado quanto a esse tema, porém depois daquela experiência passei a ter a certeza de algo que estranho acontece por aí …existe mesmo. Questionados pelo ACC – trafego aéreo – notificamos a perda de contato visual. Assim findou – se o caso e o caça retornou a sua base sem nem ao menos ter conseguido chegar perto ou avistar o objeto. A Nós foi solicitado que não fizéssemos um relatório formal perante as autoridades nacionais. Podendo acarretar numa bateria de exames psicológicos , psiquiátricos , toxicológicos e suspensão de licenças de trabalho e carteiras profissionais, sem data definida para normalização e conclusão do processo investigativo. Foi-nos aconselhado e assim o fizemos . Porém, resolvi aqui escrever de uma maneira informal, para que jamais possa esquecer e compartilhar com o máximo de pessoas possível . VOCÊ , leitor que não acredita, não me importo com a sua opinião. Em nada vai mudar o que se passou e tampouco tirar da cabeça toda uma situação compartilhada por varias pessoas . Não sei se digo que foi sorte ou azar termos avistado a nave, porém só posso dizer que estávamos ali, naquela noite, naquela hora e no momento certo . Desenhos de minha autoria para ilustrar . Uma boa noite a todos."

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Existem extraterrestres no Brasil?

Muita gente afirma já ter visto ou até mesmo ter tido contato, mas ninguém ainda conseguiu provar que extraterrestres já fizeram suas visitas ao Brasil.

O assunto é polêmico: apesar de vários acontecimentos relacionados à ufologia serem bastante conhecidos não apenas por causa de boatos, ainda há muita resistência na confirmação desses casos. Há inclusive uma campanha liderada por ufólogos que pressiona o governo nacional a dar mais informações e disponibilizar documentos oficiais sobre o assunto. Chamado de "UFOS, Liberdade de Informação Já", o projeto é encabeçado pela Revista UFO.

O Yahoo! Brasil pesquisou e também contou com a consultoria de três renomados ufólogos para selecionar os casos de ETs mais famosos que ocorreram no Brasil.

Confira:

1947 - Pitanga, Paraná

A partir dos anos 1940, os estudos sobre objetos voadores não identificados começaram a ser feitos de forma mais organizada, segundo Vanderlei D'Agostino, ufólogo e consultor da revista UFO . O primeiro caso mais conhecido é o da Colônia Goio-Bang, no Paraná. Quem disse ter vivido essa experiência foi o agrônomo José Higgins. Enquanto trabalhava no campo, ele viu um objeto pousar. Dele, saíram três seres muito altos, com olhos grandes e redondos, vestindo macacões e falando uma língua indecifrável. Com gestos e desenhos, Higgins disse ter entendido que os extraterrestres queriam levá-lo para "o sétimo círculo depois do sol". Depois de dizer que precisava ir buscar sua esposa, ele conseguiu escapar dessa viagem.

1957 - Minas Gerais

O caso Villas Boas é outro relato sobre abdução. O agricultor Antonio Villas Boas teria sido abduzido enquanto trabalhava de noite em uma fazenda no interior de Minas Gerais. Ele conta que foi obrigado a ter experimentos com os ETs, incluindo até uma relação sexual com uma extraterrestre com aparência semelhante à humana. A hipótese de Villas Boas é que ele tenha sido usado como reprodutor, pois conta que a ET apontava para a própria barriga e para cima. Anos depois, o agricultor apresentou manchas negras pelo corpo, explicadas pelos médicos como intoxicação radioativa.

1958 - Trindade, Espírito Santo

O caso da Ilha de Trindade foi testemunhado por dezenas de pessoas que estavam à bordo do navio Almirante Saldanha, da Marinha Brasileira. Essas pessoas dizem ter observado um ovni, no formato do planeta Saturno, e que não emitia barulho algum. Um fotógrafo chegou a registrar a passagem do objeto, que durou apenas 14 segundos.

1958 - Santos Dumont, Minas Gerais

O autor do livro "Sequestros Alienígenas - Investigando Ufologia com e sem Hipnose", Mário Rangel,tem um relato mais pessoal sobre um caso de ufologia no Brasil. Ele, que domina a prática da hipnose, hipnotizou o motorista Gonçalo para que ele conseguisse se lembrar do que aconteceu quando dirigia um caminhão de seu patrão, na cidade de Santos Dumont (MG), durante a noite, e de repente a estrada ficou escura, um feixe de luz foi em sua direção e Gonçalo parou o carro no acostamento. No instante seguinte, ele se viu deitado debaixo do camihão. Durante a hipnose, Gonçalo contou que a luz que enxergou era de um disco voador, do qual saíram três seres. Ele foi levado para a nave, que o conduziu a outro planeta. Ainda segundo seus relatos, o motorista conta que o planeta era iluminado por um sol azul, extremamente quente, e lá ele foi exposto à visitação pública sob a guarda de um soldado armado. Horas depois, Gonçalo estava de volta à Terra e sem se lembrar de nada.

1963 - Belo Horizonte, Minas Gerais

Três garotos, Fernando, Ronaldo e José Marcos, disseram ter visto um objeto redondo e não identificado sobrevoando uma árvore no quintal de sua casa em Belo Horizonte. Segundo relatos, um alienígena saiu de dentro dele e impediu que os meninos o atacassem lançando um raio de luz. O ET também tentou se comunicar falando com os garotos, mas não teve sucesso e voltou para a "nave".

1966 - Campo dos Goitacazes, Rio de Janeiro

No alto do morro do Vintém, no Rio de Janeiro, ocorreu um caso que até hoje não foi explicado. Miguel Viana e Manoel da Cruz eram radiotécnicos e subiram o morro para um trabalho. Eles só voltaram a aparecer dias depois, mortos e usando máscaras de chumbo. Um ufólogo francês veio ao Brasil nos anos 1980 para estudar o acontecimento, e notou que o local em que os corpos foram encontrados era curioso por não ter vegetação e ter solo aparentemente calcinado.

1977 - Colares, Pará

Há um consenso entre os ufólogos que determina a Operação Prato como o primeiro dos grandes casos em relação à extraterrestres no Brasil. Na cidade de Colares, no Pará, pessoas começaram a ter experiências bem incomuns. "A pessoa atingida desmaiava, e acordava com pequenas marcas no peito, parecendo de agulhas. Algumas sentiam anemia, o que foi associado a idéia de que as luzes retiravam o sangue das vítimas", explica o escritor do livro De Roswell a Varginha e consultor da revista UFO, Renato Azevedo. Até um comandante do exército brasileiro, o capitão Uyrangê Hollanda, foi enviado ao local para investigações. Foram meses coletando filmes, fotografias e fazendo relatórios, que nunca foram divulgados. Em 1997, pouco antes de morrer, o capitão declarou à revista UFO que tinha uma teoria "de que alienígenas estavam colhendo amostra de sangue e genéticas das pessoas, com o intuito de se protegerem contra nossos germes no momento de fazerem o contato oficial conosco", segundo conta Renato Azevedo.

1979 - Baependi, Minas Gerais

Outro caso envolvendo um agricultor. De acordo com relatos, Arlindo dos Santos havia saído para caçar com os amigos, munido de uma câmera fotográfica e uma bolsa. Longe dos companheiros, ele avistou três objetos não identificados, de diferentes formatos, pousarem. Quando o quarto objeto apareceu, ele tentou tirar uma foto, mas neste momento foi capturado. Arlindo conta que os seres disseram ser "do bem", lhe falaram sobre sua civilização e o libertaram. O agricultor chegou a encontrar em sua bolsa desenhos e pinturas, que ele acredita serem mensagens dos ETs.

1986 - região do Vale do Paraíba, São Paulo

Esse episódio ficou conhecido como Noite dos UFOs no Brasil. Segundo o ufólogo Vanderlei D'Agostino, no dia 19 de maio de 1986, nada menos que 21 objetos não identificados foram vistos e captados por radares no céu da região do eixo Rio-São Paulo. "Caças da FAB chegaram a ser enviados para interceptar tais objetos, mas sequer conseguiam se aproximar ou perseguir tais objetos", conta o ufólogo.

1996 - Varginha, Minas Gerais

Certamente o caso mais famoso de extraterrestres no Brasil. De acordo com Renato Azevedo, o sul de Minas Gerais já estava passando por uma grande onda de avistamentos de ovnis entre o final de 1995 e início de 1996. E foi no dia 20 de janeiro que três garotas viram o que depois passou a ser conhecido como o "ET de Varginha". Elas disseram ter visto um ser agachado junto ao muro de um terreno baldio, com cerca de 1,60m, três protuberâncias na cabeça, olhos grandes e vermelhos e pele marrom-escura. " Nas semanas de pesquisas que se seguiram, que envolveram dezenas de ufólogos, descobriu-se que esse ser deve ter sido capturado por policiais no começo da noite, após uma forte chuva, e levado a um dos hospitais da cidade " , como relata Renato. Dizem que na verdade existiam dois seres na região, que foram capturados pelos militares, um vivo e um morto. Não se sabe ao certo o paradeiro desse suposto alienígena vivo. Há hipóteses de que ele esteja até hoje sendo estudado na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) ou que ele tenha sido levado para análise nos Estados Unidos.

1998 - São Paulo, São Paulo

O último caso sobre ETs bastante comentado no Brasil aconteceu em São Paulo em 1998. Um garoto de dez anos e seus familiares teriam visto, na região do bairro Capão Redondo, um objeto voador não identificado. O ovni ficou aparente por cerca de 30 minutos, mas só há quatro minutos filmados desse acontecimento, que mostram a nave fazendo manobras incríveis.

Com tantos casos como esses, o ufólogo Vandelei D'Agostino lembra que os avistamentos ocorrem no mundo todo, mais em alguns lugares do que em outros por razões que os estudiosos ainda estão estudando. Segundo ele, "O Brasil tem alto índice de avisamentos devido à sua enorme área geográfica". Tomando como exemplo os casos acima, pode-se reparar que o estado de Minas Gerais é o que concentrou mais incidentes envolvendo extraterrestres.

quinta-feira, 7 de março de 2013

Geoglifos no Brasil

                                              

Pesquisadores encontraram  novos geoglifos — grandes figuras feitas no chão por povos antigos — na divisa do Acre com o Amazonas. A descoberta foi feita por cientistas liderados pela antropóloga Denise Schaan, da Universidade Federal do Pará, durante um sobrevoo às margens da BR-317, no sul da região amazônica. Com isso, somam-se 308 geoglifos próximos do limite entre o Acre e o Amazonas.



GEOGLIFOS
Os geoglifos são grandes figuras feitas no chão. Tipicamente são formadas por fragmentos da paisagem, como rochas e pequenas pedras. Existem dois tipos de geoglifo. O primeiro é o positivo, formado pelo arranjo e alinhamento de materiais ao longo do solo. O segundo é do tipo negativo, formado pela remoção de sedimentos superficiais de modo a expor o solo, criando um relevo negativo. Os geoglifos podem ser mais bem visualizados do alto e muitos não podem ser contemplados completamente do solo. Os geoglifos mais famosos compõem a linha de Nazca, no Peru.

Os geoglifos brasileiros da região amazônica foram descobertos em pesquisas arqueológicas que se iniciaram no fim da década de 1970. Os cientistas estimam que alguns possam ter até 10.000 anos de idade — os encontrados agora foram feitos entre o século I e XIII d.C. Muitos chegam a medir centenas de metros de diâmetro.

Segundo Denise, a descoberta foi feita em um voo realizado no dia 16 de junho. Os cientistas esperam mostrar parte dos resultados em um simpósio que começa nesta quarta-feira e vai até o dia 30 na capital do Acre, Rio Branco.

Os geoglifos da região amazônica se tornaram visíveis depois da derrubada de árvores. Os pesquisadores pensavam que já haviam encontrado tudo, mas estavam enganados. "Fazendas de área desmatada contínua são áreas promissoras para novas descobertas", disse ao site de VEJA. "É possível que existam muito mais figuras debaixo da floresta."

Geoglifo em forma arredondada na divisa entre os estados do Acre e Amazonas


 










veja algumas reportagens abaixo : 

Fontes : gooogle e www.youtube.com

sexta-feira, 1 de março de 2013

Empresario fotografa OVNI nos céus do Mato Grosso, Brasil

O empresário Emival Freitas, tirou uma foto de um objeto anômalo durante uma viagem pelo Rio Tapirapé, entre as cidades de Porto Alegre do Norte e Santa Terezinha, na região do Vale do Araguaia.
O objeto teria a forma de um cone pairando no céu. Emival, que mora há mais de 18 anos no município de Porto Alegre do Norte, nega ter alterado ou forjado a foto. Como acontece a maioria das vezes que objetos anômalos aparecem em fotos, ele diz que no momento da tomada, não notou o objeto. O objeto teria sido notado após descarregar sua câmera no computador.
De acordo com o site que publicou as fotos, www.24horasnews.com.br, profissionais da imprensa que tiveram acesso à imagem dizem se tratar de uma foto autêntica, apontando que a linha da sombra é a mesma do ambiente.
Foto com o objeto ampliado.
Gustavo Fortes, diretor do site Olhar21 disse: “Acho que a imagem é 100% verdadeira. Hoje é muito fácil alterar, mas isso não aconteceu aqui“.
Fortes também disse que conhece Emiral. “Sei que ele fala a verdade. O que temos que levar em consideração é que pode ser uma borboleta ou ave que no momento sobrevoou rápido e criou o efeito”.
Mas é claro, também não podemos descartar a possibilidade de ter sido algo mais misterioso, pois há muitos registros de OVNIs com este formato pelo mundo afora.

Fonte: ovnihoje.com

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Mistérios celestiais ainda não desvendados



Fenômenos luminosos envolvendo objetos voadores não identificados sempre ocorrem em algum lugar ermo do Nordeste brasileiro e não há nada ou ninguém que consiga decifra-los. Tais ocorrências são tão antigas como recentes.

Por Rafaela Oliveira*

De Fortaleza-CE

Para UFOVIA

Itatira e a região de vários avistamentos no sertão do Ceará.
Os recentes e notórios fenômenos que estão ocorrendo na cidade de Itatira, no interior do Estado do Ceará se mostram como os mais interessantes destes últimos anos. Apesar de residir em Fortaleza ainda não pude me deslocar pessoalmente até a região dos incidentes. Conheço a cidade afetada e a população de lá é formada por gente simples, sertaneja, cuja grande maioria é ligada à agricultura e ao pequeno comércio.
São pessoas que, com toda certeza, não estão procurando algum tipo de glamour ou atenção. Portanto, os relatos e fatos que se seguirem (ou ainda se seguem) devem ser vistos com muita seriedade e crédito por parte das testemunhas. Procuro expor aqui, o que consegui apurar com relação aos casos ocorridos em Itatira nesses últimos meses de 2008 e primeiros de 2009. Busco então, expor uma junção de tudo o que já aconteceu e foi noticiado ou comentado publicamente, além de algumas considerações pessoais.
Espero trazer um pouco de esclarecimento para a situação na cidade de Itatira e chamar a atenção dos ufólogos do Nordeste para a enorme casuística ufológica do sertão nordestino.

Históricos e registros anteriores

A casuística ufológica das regiões Norte e Nordeste do Brasil sempre foi repleta de casos bizarros envolvendo OVNIs, ataques contra pessoas, perseguições e até mortes. Para procurar entender o que se passa atualmente, é necessário voltarmos um pouco no tempo para percebermos que ações desconhecidas parecem estar em curso já por vários anos. No Ceará ocorreu um dos casos mais aterrorizantes envolvendo um suposto contato a que se tem notícia. O chamado “Caso Barroso” foi pesquisado durante 17 anos por vários grupos e ufólogos do Brasil e outros países.
Para quem não se lembra ou não conhece este caso, o mesmo se deu no dia 03 de abril de 1976, quando o fazendeiro Luiz Barroso Fernandes voltava para sua casa, por volta das 5h da manhã. Ele avistou um objeto estranho se aproximar de sua carroça, qual teria pousado a alguns metros na sua frente. Do dito objeto saíram dois seres de aparência humanóide que apontaram uma espécie de lanterna contra Barroso, atingindo-o com uma luz no rosto.
Barroso desmaiou e só conseguiu recuperar os sentidos algumas horas depois, num lugar distante de onde havia ocorrido o incidente. Ele sentia muitas dores, dormência no corpo e febre. Depois deste episódio a vida de Luis Barroso Fernandes jamais foi a mesma. Seu estado de saúde foi piorando gradativamente e ele entrou numa espécie de regressão mental, até a idade de nove meses, segundo alguns pesquisadores.
No auge de sua condição, quando uma luz era acesa próxima a Barroso ele apenas balbuciava as palavras “Mamãe, dá medo”. Nenhum médico conseguiu dizer com certeza qual era a causa do estado mental de Barroso e isso impressionou bastante a classe médica da época, inclusive, sendo esse caso publicado até por periódicos de medicina.
A agonia de Luis Barroso durou 17 anos e sua vida teve um ponto final sem nunca ter sido esclarecido a real causa de sua enigmática e repentina doença. Famoso no mundo inteiro como um clássico da Ufologia, o “Caso Barroso” ocorreu na cidade cearense de Quixadá, conhecida no meio ufológico por ser “A Capital dos Ufos” no Nordeste brasileiro. Trata-se de uma cidade onde muitos casos e relatos de aparições de Objetos Voadores Não Identificados ocorrem fartamente. Mas, apesar de sabermos que Quixadá é uma cidade muito popular em questões de Ufologia, é necessário destacar que todo o sertão central do Ceará é um grande celeiro de aparições de OVNIs e estranhos contatos de seres exógenos com a humilde população rural.
Baturité é outra cidade que, no ano de 1994 e 1995, sofreu um surto de aparições de OVNIs que foi até mesmo confundido com visões divinas da Virgem Maria, atraindo milhares de fiéis católicos àquela cidade. Andando pelo sertão cearense e parando para ouvir os moradores locais nos deparamos com os mais diversos tipos de relatos e fatos estranhos vivenciados por eles e que, por incrível que pareça, já fazem parte da rotina dessas pessoas.
Tenho alguns parentes e amigos residentes no sertão do Ceará e já ouvi os mais bizarros relatos envolvendo aparições estranhas, seja de objetos ou de seres em aspecto humano. A grande maioria das pessoas que presencia tais fenômenos, não titubeia em associar tais visagens e contatos alienígenas aos espíritos dos mortos, demônios, fantasmas e às assombrações.
Sendo então o sertão do Ceará e no geral todo o Nordeste brasileiro um excelente celeiro para pesquisas ufológicas, por que raramente vemos ou lemos alguma coisa relacionada à Ufologia vinda destes lugares? A explicação pode estar no difícil acesso que temos a estas regiões paupérrimas e sua falta de conexão com mundo. Em muitas dessas regiões, telefones celulares não funcionam e para assistir televisão é preciso instalar antenas parabólicas.
Em pleno século 21, a situação de grande parte dessas famílias não permite às suas populações a posse nem de celulares e nem de antenas parabólicas e, muito menos ainda, de internet e computadores. Isolados do mundo, muitos dos casos ufológicos se perdem e, devido à ausência de informações, as pessoas não entendem o que ocorre de anormal e se sentem bastante intimidadas para falar sobre tais fenômenos. Mas, eis que, no final de 2008 um evento ufológico de proporções assustadoras levaria uma cidade ao pânico.
Objeto fotografado por Amanda Silva Gomes na região de Lagoa do Mato, próxima a Itatira.
No detalhe ampliação da luz que, segundo a testemunha, pairou sobre ela e seu sobrinho.

Itatira: um registro e vários relatos

A pequena Itatira é uma cidade do interior do Ceará situada a 216 quilômetros de Fortaleza. Segundo o último censo de 2007, sua população é estimada em 17.689 habitantes. Uma cidade tão pequena que por muitas vezes nem aparece nos mapas oficiais, passa despercebida pelos menos atentos, no entanto, pelos recentes acontecimentos, ganhou a atenção da mídia, de toda a classe Ufológica brasileira e até de órgãos oficiais do governo brasileiro.
Numa noite do final do mês de novembro de 2008, por volta das 21h, dois adolescentes e uma criança da mesma família voltavam da aula para casa em uma moto quando se depararam com algo que jamais acharam que podiam ver na vida: “Era uma claridade, tipo dos postes. Era uma luz vermelha forte e outras piscando ao redor”, contou Francisca Marisa Pereira da Silva, de 17 anos, que também disse ter gritado e rezado muito ao avistar o objeto.
Francisco Joby Pereira Bastos também de 17 anos, que guiava a moto, contou que sentiu um calor muito grande vindo de um objeto voador não identificado que os seguia lado a lado. Com medo, até pensou em fugir do local, entrando na mata fechada. Também amedrontada, Francisca Marisa não sai mais de casa à noite e apesar de, a princípio, os jovens terem sido chamados de “mentirosos” e ridicularizados pela população local, os fatos que se seguiriam viriam revelar algo real e desconhecido teria sido vivenciado por aqueles três primos.
Francisco Joby Pereira Bastos, Francisca Marisa Pereira da Silva e a criança.
Os três avistaram o objeto voador luminoso e sentiram o calor do mesmo.
Depois deste fato, vários relatos de aparições de OVNIs pipocaram pela cidade. Pessoas diversas relatavam com freqüência quase diária de que haviam avistado o tal objeto ou que haviam sido seguidas por ele. O pânico tomou conta de toda Itatira e muitos não saem mais de suas casas depois das 19h. Aqueles que se arriscam sair, principalmente de moto (o veículo mais popular naquela região), apagam todos os faróis, mesmo correndo os riscos de sofrer acidentes pelas estradas.
Aparentemente os moradores bolaram a teoria de que o objeto é atraído para locais e coisas que tenham alguma luz em movimento. Fato este, igualmente notado e reportado em outras partes do país, como no interior do Estado de Minas Gerais. A maioria dos relatos tem sempre o mesmo cenário, uma luz estranha, que aparece no céu de repente e que se aproxima das pessoas, exalando muito calor e luminosidade.
Muitas testemunhas acreditam se tratar de uma “visagem”, ou seja, uma espécie de assombração ou “alma de outro mundo”. Outras, falam até mesmo em manifestações do próprio diabo em pessoa. Existe também uma teoria muito difundida na região, dando conta de que esse objeto seria uma experiência ligada a algum governo estrangeiro que tem como um dos objetivos levar o medo à cidade. Entre os moradores locais, de modo geral, muito poucos deles acreditam que tais objetos possam se tratar de algo vindo de um outro planeta – fato que tira de cogitação a afirmação de alguns céticos de que as aparições em Itatira são na verdade, “loucura coletiva”, causada pela mídia sensacionalista que explora o tema “extraterrestre”.
O medo naquela cidade é original e a população teme algum ataque vindo desse objeto voador desconhecido, já que alguns pronunciam palavras de ordem com, “eles querem o nosso sangue”, “eles vão pegar a gente”, causando uma situação muito parecida com a que ocorreu em Colares em 1977, investigada pela Operação Prato da FAB, onde a população pediu socorro às autoridades, por causa dos ataques desferidos (supostas queimaduras) por uma luz voadora chamada popularmente de “chupa-chupa”.
Atualmente, em Itatira, o pânico e a desconfiança chegaram a um ponto insustentável que está prejudicando, inclusive, a rotina da cidade. Tal fato levou a ABIN (Agência Brasileira de Inteligência) a intervir e pedir ao delegado de Polícia de Canindé, Francisco José Ferreira Braúna, que investigasse o caso com a devida atenção. O inspetor Dalton Júnior foi então enviado a Itatira para apurar os fatos. Segundo um dos casos a que teve acesso o inspetor, consta o depoimento de um agricultor da região chamado Luís Denis Menezes.
Segundo o relato, o agricultor guiava sua moto quando avistou uma luz de cor amarela que exalava um forte calor. Estranhamente a bateria de sua moto apagou, assustado ele correu para a mata fechada. Outro relato fala a respeito de um pescador de nome Francisco Paulo da Silva que teria avistado o dito objeto enquanto pescava num açude. Apavorado, ele abandonou seus equipamentos de pesca e fugiu desesperadamente. Atualmente, Francisco diz que está doente e apavorado pela experiência. Segundo o inspetor Dalton Júnior, até a primeira quinzena de janeiro já haviam sido registradas mais de 200 aparições do tal objeto.
Recentemente, a região de Lagoa do Mato, outra cidade bem próxima a Itatira, também apresentou relatos de que o suposto objeto esteve por lá. As histórias são idênticas às de Itatira e dão conta do surgimento de uma luz forte amarelada, que fica parada no céu e depois desce para detrás de uma serra.
Amanda Silva Gomes, uma jovem de 18 anos seguia por uma estrada, vindo da casa de uma amiga acompanhada pelo sobrinho Ramiro Gomes de oito anos quando avistou o objeto acima de sua cabeça. Mesmo assustada ela pegou a câmera que levava consigo e conseguiu fotografar a luz voadora [veja foto acima]. Até agora, pelo que se tem notícia, Amanda foi a única pessoa a registrar em foto o tal objeto, mas ainda não há um veredicto preciso sobre a autenticidade da imagem apresentada por ela.
Amanda Silva Gomes, autora da foto de um OVNI luminoso em Lagoa do Mato.

Efeitos físicos e mentais

Desde que as aparições se intensificaram, algumas pessoas falam a respeito de sintomas sofridos, como depressão, febre, dores de cabeça e outras mazelas que, apesar de não serem aparentemente graves, só aumentam o de medo pelo qual Itatira está passando. Fica difícil fazer uma análise mais aprofundada a respeito destes sintomas, se são causados por algum tipo de ação ou contato com estas luzes, a exemplo do ocorrido em Colares ou se é apenas uma manifestação psicossomática do medo coletivo relacionado a estes incidentes, pela qual as testemunhas estão passando.
Aparentemente pode se tratar mesmo de algum tipo de reação psicológica causada pelo medo e pela intensidade a que testemunhas das aparições passam. Afinal, não se registrou até o momento, nenhum caso de pessoa molestada pelo suposto objeto, tal como ocorrido no Pará em 1977. A verdade é que, ao contrário do que muitos ufólogos dizem, as pessoas ainda não estão preparadas para um contato direto com algo desconhecido e incompreensível como a realidade do fenômeno UFO.
O exemplo de Itatira é clássico, onde vemos pessoas sendo tiradas de sua rotina comum e repentinamente sendo forçadas a se deparar com um acontecimento que foge completamente de uma explicação comum. Não se trata de algo que elas possam facilmente encaixar dentro de suas respectivas experiências de vida e racionalidade. Perguntando a uma pessoa leiga comum se ela acredita em discos voadores (sim, por que se falar em “UFOs” ela provavelmente não irá entender), certamente, ela na maioria das vezes irá dizer que não. Perguntando-se em seguida o por que de ela não acreditar, provavelmente, ela dirá que não sabe porque, mas acha que não existe tais coisas e pronto. Ou seja, este é o pensamento que impera na maioria da população mundial, que jamais pensou seriamente neste assunto ou sequer teve algum tipo de contato com o mesmo. Imagine agora, essas pessoas se deparando repentinamente com este fenômeno que desafia até as mentes mais privilegiadas? Poderíamos esperar as mais diversas reações e, Itatira é apenas o exemplo de uma delas.

O interesse repentino da ABIN

Uma das coisas que mais chamou a atenção foi o repentino interesse da ABIN nesses casos cearenses. Pode até parecer paranóia, mas por que a Agência Brasileira de Inteligência estaria interessada em fenômenos que andam acontecendo em uma pequena cidade do sertão do Ceará? A Explicação não é simples e talvez seja mais complicada do que se imagina. O delegado Franscisco Braúna afirmou em recente entrevista ao Jornal do Meio-Dia da Rede Verdes Mares de Televisão, afiliada a Rede Globo, que a ABIN havia entrado em contato com ele para dizer que os fenômenos não tinham nada haver com OVNIs e tampouco teriam conexões com fatores extraterrestres ou paranormais. Mas, afinal por que a agência de inteligência tem tanta certeza de que não se trata de um fenômeno inexplicável?
Algumas pessoas realmente andam falando de certos interesses com relação à mina de urânio Itataia em Santa Quitéria, cidade próxima a Itatira e relacionado fatores inerentes a mesma com os avistamentos luminosos na região. Considerando essa questão, deveríamos pensar que tal objeto voador não identificado se trate de algum instrumento de pesquisa daquela área? E por que o interesse de o mesmo perseguir a população local e se deixar ver por várias pessoas? Se se tratar de alguma espécie de espionagem qual seria seu objetivo, já que o aparato não é mais um segredo?
Outra coisa que devemos levar em consideração se formos admitir a possibilidade de uma operação de espionagem na região seria o motivo de a ABIN ter tido uma preocupação clara em afirmar que as aparições não tinham ligações com OVNIs ou seres extraterrestres. Destarte, seria muito mais cômodo para a ABIN, que as pessoas acreditassem que o tal aparelho fosse um UFO de origem extraterrestre, pois desviaria a atenção do público para o verdadeiro motivo do mesmo. Sabemos que a CIA usou desculpas de “discos voadores” para encobrir alguns vôos do avião U2 durante a Guerra Fria e, logicamente, a atitude da ABIN neste caso, não parece nem um pouco racional ou estratégica em se tratando de um suposto caso de espionagem.

Quando a ciência não detecta

No mesmo Jornal do Meio-Dia, a opinião de um astrônomo sobre os fenômenos em Itatira foi de minha especial atenção. O Astrônomo afirmou que as aparições poderiam se tratar de fenômenos atmosféricos. Se formos pensar agora na possibilidade de um fenômeno atmosférico, o que me vem à cabeça neste momento é a explicação dos fascinantes “raios bolas” que talvez tenha sido mesmo essa a explicação que ele queria dar. Os raios-bolas [veja vídeo] geralmente acontecem antes ou depois de uma chuva ou tempestade, causados por nuvens de chuva. Por se tratar de um fenômeno atmosférico muito raro e incomum, existem cerca de mil relatos sobre os mesmos nos últimos 150 anos. Os raios-bolas podem ter cor azul, branca ou amarela e dura em média cerca de quatro segundos.
Logicamente por ser um fenômeno raro já seria descartável apresentar essa explicação como explicação plausível para os fenômenos verificados em Itatira, que reúnem relatos de mais de 200 avistamentos pela população local. Outra coisa, como os raios-bolas duram no máximo quatro segundos, seria irracional pensar que um deles pudesse seguir pessoas, emanar calor e aproximar-se a ponto de assustá-las, além de que não havia ameaça de chuvas e nem tempo nublado durante os avistamentos em Itatira.
A insistência em dar explicações “plausíveis”, usando a ciência para “justificativas descabidas” é uma síndrome ou vício cada vez mais comum dentro do mundo ufológico. Tais raciocínios, geralmente ligados a céticos compulsivos são um mal igual ou maior do que os crédulos “maioneseiros”, que pecam pelo excesso da crença pessoal. Para se justificar a inexistência de algo inexplicável envolvendo UFOs na atualidade é natural dar as mais diversas desculpas, mascaradas de teor científico.
Se uma luz aparece em um céu claro numa noite de verão em algum lugar do planeta e a mesma é fotografada ou filmada fazendo movimentos que contrariam as leis da física (considerando uma aeronave comum), alguns céticos aparecerão com explicações diversas. Não existe mais a preocupação, o interesse de buscar respostas e explicações verdadeiras, não existe mais o compromisso com a pesquisa de campo como se tinha até alguns anos atrás.
Ao que parece, a facilidade da Internet deixou um importante vazio no campo da Ufologia prática que não pode ser preenchido e que tem cedido cada vez mais lugar aos chamados “ufólogos digitais” ou “cientistas de Google”. Os verdadeiros ufólogos podem sim, buscar respostas e explicações para tais casos, usando claro, a análise séria e um olhar atento cientificamente como já aconteceu em vários outros casos durante a história, sem necessariamente aceitar qualquer explicação que se possa dar sobre esse ou aquele caso.
Se se tratar realmente de um engano, ilusão ou de um fenômeno atmosférico, satélite ou artefato de espionagem, obviamente, temos a obrigação de esclarecer esse engano, mas somente se todas as análises devidamente credibilizadas chegarem à conclusão de que não existe uma explicação lógica para o fato. É igualmente importante que os ufólogos tenham peito para dizer que se trata de um caso inexplicável legitimo e brigue por ele, descartando explicações pseudocientíficas como a da pipa na lanterna, balões guiados por controle remoto ou os tão batidos raio-bola que segue pessoas por vários minutos em noites sem nuvens.
O que ocorre em Itatira é basicamente isso: a falta de recursos misturada a outros diversos fatores impede uma pesquisa mais profunda do caso, seja por parte das autoridades da Segurança ou dos investigadores civis. Talvez, a própria comunidade ufológica do Ceará esteja precisando de uma grande reforma e uma mudança comportamental, na forma de encarar e procurar discernir tais casos.
Itatira mais do que um caso ufológico curioso, se tornou uma porta para reflexão de como tantas coisas, podem estar ao mesmo tempo interligadas e como esses mistérios podem nos desafiar de forma tão brusca, violenta que, literalmente, nos deixa de mãos atadas. Nós mesmos, incapazes de entender o que está acontecendo procuramos explicações e desculpas quaisquer para nos reconfortamos com a falsa idéia de que o “incompreensível” foi superado e estamos no total controle de nossas vidas e de nosso mundo – e daqueles que estão acima de nossas cabeças, ainda que os desconheçamos por completo. 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...