Morte na neve - incidente do Passo Dyatlov

Incidente do Passo Dyatlov foi um evento que resultou na morte de nove esquiadores ao norte dos montes Urais na noite de 2 de fevereiro de 1959.

Vídeo mostra como são feitas as fraudes de aparições de UFOs

Confira nesse vídeo uma das formas de como fazer seu próprio vídeo com aparição de UFO.

Veja esta lista e identifique se você já foi abduzido

Esta é uma lista de 58 indicadores comuns compartilhados pela maioria dos abduzidos (seqüestrados por UFOs). Foi criada para saber se você foi realmente abduzido.

Esqueleto "alienígena" do Atacama: mistério resolvido

Dez anos antes de uma nave alienígena cair na propriedade rancheiro Mack Brazel perto de Roswell, Novo México, um disco voador (OVNI) perdeu o controle e caiu sobre a zona rural da Alemanha nazista.

Zeppelin de Tien-Shan: queda de OVNI?

No dia 2 de maio de 1998, uma mensagem confusa começou a circular na Internet, anunciando a queda de um imenso OVNI no Kazaquistão, Rússia.

Mostrando postagens com marcador Caso Ramos Bessa. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Caso Ramos Bessa. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 22 de março de 2013

O caso Ramos Bessa

Introdução

O Caso Maurício Ramos Bessa é um dos muitos casos investigados pela Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores (SBEDV). Ocorreu em 12 de janeiro de 1953, por volta das 13 horas de um dia nublado, nas proximidades da fazenda Guarará, em Santana dos Montes, Minas Gerais. O episódio foi divulgado no Boletim da SBEDV, nº 55/59, de agosto de 1967, cuja transcrição segue abaixo:

"O fato se deu em 12 de janeiro de 1953, às 13 hors (foto nº 11) e foi relatado pelo seu protagonista, Maurício Ramos Bessa, ao Sr. Eber Silvestre, irmão do nosso sócio da SBEDV, Elder Silvestre, que se mudou agora para Brasília. Foi Eber que localizou a testemunha e fez o interrogatório, assistido por nós em alguns dos pormenores. Maurício tem hoje 39 anos, é casado, sabe ler e escrever e trabalha no biotério em dos grandes hospitais do Estado da Guanabara, há 8 anos, tendo nascido aqui mesmo no Rio.

Santana dos Montes dista 3 horas, de automóvel, de Conselheiro Lafayette, e Maurício, depois do seu casamento (lua de mel?) hospedou-se na casa de um colono (parente de criação por parte da Senhora Henriqueta Nogueira de Almeida) da fazenda Guarará, que fica ainda uma légua e meia de Santana. Naquele dia tinha ido ao lugarejo para fazer compras, e na volta, saindo da estrada a meia légua, para atravessar o portão da fazenda, tomou um corte que abreviava bastante o caminho (n° 15) que conduzia através de terreno plano com capim (veja seta no desenho n° 12, de Maurício), perto de um estábulo de vacas e um bambuzal e eucaliptal, quando viu uma coisa luminosa, mais adiante, que o deixou surpreso.

Perdeu o objeto de vista devido ao terreno. Meia hora depois, já à distância de 6 metros, o viu pela segunda vez. Era um veículo menor que um Volks, de cor metalica, brilhante, a 1,30 m do chão, achatado embaixo, ovalado em cima. Ele ficou a observar. Estava agora a 2 metros do veículo, quando, após esperar 2 minutos, de repente, apareceu um vão quadrado, e, em um movimento basculante, uma porta de deslocou para cima. Duas personagens pularam para o chão, que naquele lugar não apresentava capim. Eles tinham roupa cor de chumbo, a qual porém brilhava como um metal, e tinham uma bola brilhante na ponta dos pés, acima do sapato (que parecia ter mais uma forma quadrada, conforme desenho n° 10, de Maurício). O disco deu um balanço para baixo, porém a porta não encostou no chão. Mesmo assim eles entraram no disco, apesar de não terem dado um pulo para cima. Maurício apenas achava que deviam ter prática. Não viu mais a porta fechar, nem o disco subir, porque a dor de cabeça estava tão forte, que nada mais via. Quando a pressão da cabeça de repente cesso, nada mais se via do disco. Foi para a casa com toda a naturalidade, nada mais sentindo no dia seguinte.

Entrando em pormenores, disso o Sr. Maurício, que dentro do disco, através da porta, tinha visto outro tripulante, mas todo imóvel, que parecia olhar para fora. A roupa deles parecia inteiriça; não parecia ter fecheclair, nem bolsas, nem bainhas, com as mãoes e dedos também ainda envolvidos no material individualmente. Até o pescoço e o rosto eram cobertos pelo materialm cm um buraco no meio do rosto, mas não viu os olhos. Os homens tinham 1,30 a 1,40m de altura e no peito, um quadrado brilhante de 3x5 cm aproximadamente. A cabeça parecia mais achatada em relação à nossa. Os movimentos dos homens eram mais rápids que os nossos, especialmente aquele que recolheu o barro. Foi ver depois o buraco no chão, que tinha uma profundidade de 5 cm com uma abertura circular de 3 cm. Não se viam entretanto pegadas dos homens no chão de barro seco. Não escutou conversa entre eles, mas um deles dirigiu-se com movimentos de cabeça ao outro, talvez umas três vezes. Maurício nenhuma pergunta fez a eles, por senti-los superiores À ele, mas achou que eles o convidaram para entrar no aparelho, porém, ficou com medo, sem saber o que responder. O céu daquele dia era nublado. Em 1954 relatou o acontecimento ao reporter do Globo, Homem Rodrigues.